Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Dilma por um fio. Ministro acusado de querer pagar silêncio do senador Delcídio do Amaral

Imagem retirada do protesto que decorreu no fim de semana em São Paulo - desagrado chegou às ruas

NACHO DOCE / Reuters

Investigado no caso Lava Jato, o senador Delcídio do Amaral acusa um dos ministros de Dilma de lhe ter oferecido ajuda financeira a troco do seu silêncio. A denúncia foi aceite pelo Supremo Tribunal Federal do Brasil, o que pode precipitar a queda do Governo

Agrava-se a situação política de Dilma Rousseff, cujo Governo parece, a cada dia que passa, estar mais ameaçado. Esta terça-feira fica marcada por mais uma etapa negra, depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro ter homologado a denúncia feita pelo senador Delcídio do Amaral (do PT) - um dos investigados no âmbito da Operação Lava Jato.

Sem meias palavras, Delcídio acusa o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, de lhe oferecido ajuda financeira, política e jurídica em troca do seu silêncio. Mais. O senador entregou uma gravação para fazer prova dessa proposta, cujo fim último seria o de tentar demovê-lo de cumprir o acordo feito com a justiça - ceder informações a troco de uma redução de pena, informações essas que passam por afirmar que Lula e Dilma tentaram interferir nas investigações à rede de corrupção na Petrobras.

Em parte reproduzida na revista “Veja”, a gravação da conversa mantida entre um assessor de Mercadante e um homem da confiança de Delcídio do Amaral representa um duro golpe para a imagem de Dilma, que sempre fez questão de garantir que o Governo não interfere nas investigações da Lava Jato. O que é só uma parte do problema. Em virtude do teor da acusação, Mercadante - o ministro mais próximo de Dilma - pode mesmo vir a ser preso nos próximos dias. Além de tudo isto, este caso pode levar à saída do PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) do Governo, que o mesmo que dizer que o executivo pode cair.

Efeito prático desta verdadeira ”bomba”, o esperado anúncio da incorporação do ex-Presidente Lula no Governo ficou adiado. Só esta quarta-feira é que o Palácio do Planalto deve comunicar se Lula vai ou não ser ministro, cargo aliás que, a ser ocupado, lhe garante imunidade judicial em relação ao Ministério Público de São Paulo, o mesmo que pediu a sua prisão preventiva na sequência da investigação que envolve a compra de um triplex de luxo.

  • Cercado pela Justiça, Lula ataca na política

    Visado pelo escândalo de corrupção Lava Jato, Lula da Silva equaciona tornar-se ministro. As mega-manifestações de domingo, que exigiram a prisão do ex-Presidente, foram o empurrão. Esta terça-feira à noite viaja para Brasília, onde deverá encontrar-se com Dilma Rousseff

  • Afinal, Lula vai tornar-se ministro no governo de Dilma Rousseff

    Notícia é avançada esta terça-feira pela BBC. “Folha de São Paulo” cita fontes do Partido dos Trabalhadores e a “Globo” diz que há “90% ou mais chances” de Lula vir a ser ministro no atual governo, o que lhe garante mais proteção legal face aos crimes de corrupção de que é acusado pela procuradoria. Fontes do PT dizem que Dilma está “aliviada”

  • Procuradores querem Lula em prisão preventiva

    Três procuradores do Ministério Público do Estado de São Paulo, Brasil, requereram a prisão preventiva do ex-presidente Lula da Silva para garantir “a ordem pública, a instrução do processo e a aplicação da lei penal”

  • “Lula na cadeia”, gritaram os brasileiros

    Os protestos, marcados desde janeiro, estenderam-se a várias cidades do país. Os brasileiros exigiram a demissão de Dilma Rousseff, pediram a cadeia para Lula da Silva e homenagearam Sérgio Moro, o juiz que no último ano e meio tem exposto a complexa teia de corrupção política na Operação Lava Jato. “Je suis Moro”, lia-se em várias t-shirts