Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Bruxelas. Operação antiterrorista continua, afirma primeiro-ministro belga

  • 333

LAURENT DUBRULE/EPA

A polícia continua à procura de um ou dois suspeitos - o número não foi confirmado - nas proximidades do local onde na tarde desta terça-feira agentes belgas e franceses foram atacados de surpresa quando investigavam um apartamento

A operação antiterrorista em Bruxelas desencadeada na sequência dos tiroteios ocorridos esta terça-feira em Forest, em que morreu um presumível terrorista e quatro polícias ficaram feridos, ainda continua, anunciou o primeiro-ministro belga.

Em conferência de imprensa, Charles Michel, acompanhado dos ministros do Interior, Jean Jambon, e da Justiça, Koen Geens, referiu que prossegue a operação na comuna de Forest, tendo a agência Belga, citando fontes policiais, especificado que as perquisições têm lugar no Chaussée de Neerstalle, nas proximidades do local onde esta tarde agentes policiais belgas e franceses foram atacados de surpresa quando investigavam um apartamento.

O primeiro-ministro acrescentou que o Conselho Nacional de Segurança reunir-se-á na quarta-feira.

Por seu turno, o ministro Jambon especificou que, dos quatro polícias feridos, três são belgas e uma é francesa, tendo dois já recebido alta hospitalar enquanto os outros dois continuam internados, mas apenas com ferimentos ligeiros.

A identidade do suspeito abatido pelas forças especiais ainda é desconhecida.

A rusga levada a cabo esta tarde estava relacionada com alegados cúmplices de um ou mais dos 11 acusados na Bélgica, presumivelmente em busca de documentos, no quadro das investigações aos atentados terroristas de Paris em novembro passado, que provocaram mais de 130 mortos, e que foram preparados em Bruxelas.

Fontes policiais confirmaram que as forças de ordem foram surpreendidas com tiros de armas pesadas durante a rusga, que não visava diretamente Salah Abdeslam, o homem mais procurado por envolvimento nos ataques de Paris, mas antes alegados cúmplices de um ou mais dos 11 inculpados na Bélgica na sequência dos atentados de 13 de novembro de 2015.

Ao chegarem a um apartamento presumivelmente abandonado, na Rue de Dries, na comuna de Forest, durante uma busca relacionada com os ataques de Paris, os polícias foram imediatamente alvo de tiros de armas pesadas, através da porta.

A partir daí foi desencadeada uma grande operação, tendo um dos "atiradores" sido morto, e desconhece-se ainda se estarão em fuga um ou mais envolvidos.