Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Obama promete falar de Direitos Humanos em Cuba

  • 333

JONATHAN ERNST/REUTERS

Presidente norte-americano deverá reunir-se com vários dissidentes cubanos nos próximos dias 21 e 22 de março, na sua visita histórica à ilha comunista

Falta uma semana para Barack Obama viajar até Cuba – naquela que será a primeira visita oficial de um Presidente norte-americano em 88 anos –, e começa a ser desvendada a agenda da viagem.

Segundo o vice-assessor da Casa Branca para a Segurança, Ben Rhodes, o Presidente norte-americano vai encontrar-se com membros da sociedade civil, empresários e 10 ou 15 dissidentes nos próximos dias 21 e 22 de março, na ilha comunista.

Numa carta enviada ao movimento dissidente cubano Damas de Branco, Obama garante que irá abordar a questão da liberdade de expressão. “Nós levamos a sério as preocupações que vocês levantam. Prometo que irei debater estes assuntos diretamente com o Presidente Castro”, escreveu o Presidente norte-americano ao movimento feminista constituído por mulheres e mães de presos políticos cubanos.

A missiva foi entregue por um funcionário da Casa Branca à lider do movimento feminista, Berta Soler, em Miami. Embora se tenha manifestado satisfeita com a “resposta positiva”, a ativista – que voltou a ser detida num protesto este domingo – defendeu que as mudanças na relação EUA-Cuba não podem ser unilaterais.

No final do ano, Obama já tinha garantido que iria abordar a questão dos Direitos Humanos durante a visita a Cuba. “Deixei muito claro nas conversas que tenho mantido com o Presidente Castro que continuaremos a manter contacto com aqueles que querem amplificar o espectro da liberdade de expressão em Cuba e expressar o nosso apoio aos Direitos Humanos”, declarou o governante.

EUA querem “melhorar a vida dos cubanos”

Desde que foi anunciado o início da normalização das relações entre os EUA e Cuba, têm sido registados progressos significativos, segundo Obama. “Viajarei para este país com vista a promover os nossos esforços para melhorar a vida dos cubanos”, escreveu o Presidente norte-americano na sua conta no Twitter.

Também a secretária de Estado adjunta dos EUA para a América Latina, Roberta Jacobson, tinha avisado que a normalização das relações bilaterais não está relacionada diretamente com os progressos na ilha face aos Direitos Humanos, sustentando que é preciso ir mais além neste âmbito.

Foi no dia 17 dezembro de 2014 que Barack Obama anunciou o passo histórico de os EUA começarem a normalizar as relações diplomáticas com Cuba, após mais de meio século de hostilidades entre os dois países. Em julho do ano passado, foram reabertas as embaixadas respetivas nos dois países, enquanto em agosto o secretário de Estado norte-americano John Kerry viajou até Havana.