Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Scott Kelly está de saída da NASA

  • 333

Bill Ingalls/NASA/Getty Images

Scott Kelly e o russo Mikhail Korniyenko protagonizaram recentemente uma viagem histórica ao espaço, onde estiveram durante quase um ano, a bordo da Estação Espacial Internacional

Helena Bento

Jornalista

Scott Kelly, o astronauta norte-americano que esteve 340 dias a bordo da Estação Espacial Internacional e regressou à Terra há menos de duas semanas, anunciou que vai deixar a NASA.

Scott Kelly, 52 anos, deixará a agência espacial no dia 1 de abril - de acordo com um comunicado de sexta-feira - e os planos para o futuro são ainda incertos. Ele e o russo Mikhail Korniyenko, de 55 anos, protagonizaram recentemente uma viagem histórica ao espaço, onde estiveram durante quase um ano, a bordo da Estação Espacial Internacional. A expedição teve como objetivo estudar os efeitos produzidos no corpo humano pela permanência prolongada no espaço, para perceber as hipóteses de viajar até Marte, no futuro.

Durante a estadia na Estação Espacial Central, o astronauta norte-americano foi publicando centenas de fotografias nas redes sociais e a sua missão foi sendo acompanhada diariamente por milhares de admiradores e curiosos.

“Esta missão de um ano no espaço foi um desafio profundo para todos os envolvidos. [Além disso, deu-me] uma perspetiva única e muito tempo para refletir sobre o meu próximo passo nesta viagem contínua para melhorar as nossas capacidades no espaço e na Terra”, disse Scott Kelly, num comunicado citado pelo britânico “Guardian”.

  • Scott Kelly voltou mais alto e mais novo do espaço

    Além de mais alto, Scott Kelly, o astronauta norte-americano que esteve 340 dias a bordo da Estação Espacial Internacional e regressou à Terra são e salvo na quarta-feira, voltou mais novo do que o seu irmão gémeo

  • Não se sabe onde isto nos vai levar, mas é aqui que tudo começa

    Passaram quase um ano a ver o planeta azul da janela para um dia outros poderem olhar pelo vidro e avistarem um planeta vermelho. A missão chegou agora ao fim, mas na verdade é apenas o início de algo muito maior. No dia em que a humanidade chegar a Marte e a outros planetas há de lembrar-se também dos nomes de Scott Kelly e Mikhail Korniyenko. Eles são a primeira peça de um puzzle que fará com que num futuro não muito longínquo a realidade se aproxime dos filmes de ficção científica