Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Luaty Beirão e a saída de Eduardo dos Santos: “Já conhecemos este filme”

  • 333

DR

Em prisão domiciliária, o ativista luso-angolano não entra em entusiasmos sobre o anúncio da saída de José Eduardo dos Santos, prevendo que a história do líder angolano no MPLA não ficará por aqui. “Já ouvi este discurso em 2011”, argumenta Beirão

O ativista luso-angolano Luaty Beirão, um dos acusados em tribunal de atos preparatórios para uma rebelião em Angola, desvaloriza o anúncio da saída da vida política feito pelo Presidente José Eduardo dos Santos.

"Eu não me deixo entrar em momento de excitação ou de alegria porque já ouvi esse discurso em 2011 (...). Daqui a bocado está ele a voltar atrás com a sua palavra, alegando que o partido pede que não os abandone nesta altura tão complicada, porque é o único timoneiro capaz de levar o barco a bom porto. Já conhecemos este filme", afirmou à Lusa, esta sexta-feira, Luaty Beirão, que aguarda o desfecho do julgamento em prisão domiciliária, em Luanda.

O presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e chefe de Estado angolano há 36 anos José Eduardo dos Santos anunciou esta manhã que deixa a vida política ativa em 2018, ano em que completará 76 anos. O anúncio foi feito em Luanda, na abertura da 11.ª reunião ordinária do Comité Central do MPLA.

Mas Luaty Beirão questiona a decisão. "É incompreensível porque é que alguém anuncia que se vai afastar da vida política em 2018 quando existem eleições previstas para 2017. Porque é que não diz logo que não vai ser o candidato para 2017?", aponta. "Tudo isto parece mais uma tentativa de um passo de dança do Presidente e vou esperar para ver. Mas não tenho fé em nada de muito positivo vindo daí."

No discurso do anúncio, o chefe de Estado angolano não clarificou em que moldes será feita a sua saída da vida política e se ainda estará disponível para concorrer às eleições gerais de agosto de 2017 ou à liderança do partido, este ano, antes da sua retirada. José Eduardo dos Santos é Presidente de Angola desde setembro de 1979, cargo que assumiu após a morte de Agostinho Neto, o primeiro Presidente angolano.

Já Luaty Beirão continua, juntamente com 16 jovens, acusado em coautoria de atos preparatórios para uma rebelião e um atentado contra o Presidente, estando as alegações finais do julgamento agendadas para o tribunal de Luanda, na próxima segunda-feira.