Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Maioria dos europeus deseja que Reino Unido permaneça na União Europeia

  • 333

Ben Pruchnie/GettyImages

Estudo que engloba seis dos 28 países parceiros europeus revela que a maioria dos eleitores prefere que os britânicos não abandonem a Europa. Mas se o fizerem, devem perder o acesso ao mercado único, defendem muitos dos inquiridos

Uma maioria clara dos eleitores em seis países da União Europeia (UE) é a favor da permanência do Reino Unido no grupo dos 28, revela um estudo da Universidade de Edimburgo e de um grupo de reflexão alemão publicado esta quinta-feira pelo “The Guardian”. Mas são muitos os que defendem que, em caso de saída, o país deve ser castigado.

De acordo com a recolha de opiniões efetuada, oito mil eleitores preferem que os britânicos se mantenham na UE, posição que é particularmente expressiva em Espanha (mais de 80%), na Polónia e na Irlanda. Com 56% das respostas também a favor da permanência, a França é, ainda assim, o país onde esta opinião surge com a mais baixa representatividade. Pelo meio ficam a Suécia e a Alemanha, os outros dois países consultados.

O Reino Unido referenda a sua continuidade na UE no dia 23 de junho, e caso daí advenha a opção pela saída, as opiniões dos eleitores nos países abrangidos pelo estudo entendem que há custos a considerar. Assim, Espanha (com uma percentagem acima dos 40%) e França lideram quanto à defesa de que os britânicos deverão perder o acesso ao mercado único, enquanto a Polónia se revela o país mais favorável à ideia do Reino Unido poder continuar a beneficiar do comércio sem barreiras, mesmo fora da UE (dizem-no 50% dos inquiridos). Neste registo, segue-se a Alemanha (cerca de 46%) e a Irlanda (41%)

Sobre a realização de um eventual referendo nestes países, à imagem do Reino Unido - para avaliar a vontade de permanecer ou de sair da UE - apenas em França se registou uma maioria a favor, com mais de metade do eleitorado a favor. A Irlanda lidera as respostas no sentido oposto: é o país menos recetivo à realização de uma consulta pública sobre o tema.

  • David Cameron: “A única certeza da saída é a incerteza”

    O primeiro-ministro britânico acusa os defensores do Brexit de serem “extremamente vagos” quando se trata de definir cenários concretos para uma eventual saída do Reino Unido da UE no referendo de 23 de junho. “Não é suficiente assegurar que tudo ficará bem quando empregos e o futuro do nosso país estão em causa”