Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Lula é acusado de lavagem de dinheiro e ocultação de património

  • 333

INSTITUTO LULA DA SILVA / EPA

Ministério Público de São Paulo acusa o antigo Presidente brasileiro de ocultar um apartamento no Guarujá, que está registado em nome da construtora OAS. A mulher e um dos filhos de Lula da Silva também são alvo da mesma acusação

À medida que cresce a contestação em torno de Luiz Inácio Lula da Silva e do Partido dos Trabalhadores (PT) – este domingo é esperado um milhão de pessoas na Avenida Paulista a exigir a destituição da Presidente Dilma Rousseff, – são conhecidas novas suspeitas que envolvem o antigo Presidente brasileiro. Esta quarta-feira, o Ministério Público de São Paulo apresentou uma queixa à Justiça, acusando o ex-governante de lavagem de dinheiro, organização criminosa e ocultação de património.

Em causa está o apartamento tríplex num condomínio do Guarujá, no litoral daquele estado brasileiro, que se encontra registado em nome da construtora OAS, mas que o Ministério Público acredita ser propriedade de Lula da Silva.

A mulher de Lula, Marisa Letícia, e um dos filhos, Fábio Luís Lula da Silva, também são alvo da mesma queixa, que abrange mais 13 pessoas e foi remetida pelo procurador Cassio Conserino à 4ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Apesar de a denúncia do MP de São Paulo envolver o mesmo apartamento que é referido na Operação Lava Jato, trata-de um processo independente daquele que investiga o alegado esquema de corrupção que envolve a petrolífera Petrobrás, frisa a imprensa brasileira.

A defesa de Lula não se mostra surpreendida pela ação movida pelo procurador do Ministério Público de São Paulo, cuja intenção já tinha sido manifestada numa entrevista à revista “Veja”, no dia 22 de janeiro. No entanto, acusa o responsável de “parcialidade” e de querer “manchar a imagem” do antigo governante que, por diversas vezes, tem sempre negado ser o proprietário do apartamento situado no último piso de um condomínio no Guarujá.

Manobras políticas paralelas

Enquanto milhares de populares prometem sair à rua este domingo a favor da destituição da Presidente Dilma Rousseff, o Palácio do Planalto prepara uma manobra para travar o processo de impeachment e ao mesmo tempo servir de escudo para Lula. O antigo chefe do Estado brasileiro poderá vir a liderar o ministério que trata da gestão política, escreve o “Estado de S. Paulo”, adiantando que o convite já foi feito pela Presidente ao fundador do PT.

“Eu não preciso de ser ministro para ajudar o governo”, declarou Lula da Silva durante um encontro esta quarta-feira com o líder do Senado, sem adiantar contudo qual será a sua resposta ao convite. Na semana passada, durante um encontro com militantes do PT, o fundador do partido admitiu estar disponível para concorrer às eleições Presidenciais em 2018.

Entretanto, a oposição procura já espaço para uma alternativa para o país: o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) prometeram cooperar para encontrar uma solução governativa. “Há uma constação de que o momento é bastante grave. Tanto o PMDB como o PSDB não podem ficar omissos. Vamos trabalhar juntos para encontrar, o mais breve possível, uma saída para a crise que o Brasil vive”, afirmou o senador Tasso Jereisatti (PSDB), citado pela “Folha de S. Paulo”

Na última sexta-feira, Lula da Silva foi alvo de um mandado de condução coerciva, que o obrigou a depor no âmbito da Operação Lava Jato. De acordo com a investigação, o antigo Presidente terá sido “um dos principais beneficiários” dos crimes relacionados com a Petrobras.