Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Familiares de vítima do voo MH370 põem Boeing em tribunal

  • 333

MOHD RASFAN

Faz esta terça-feira dois anos que o voo da Malaysia Airlines desapareceu em rota de Kuala Lumpur para Pequim, ao sobrevoar o Oceano Índico, com 239 pessoas a bordo. Primeiro-ministro malaio diz ainda ter "esperança" de que os destroços sejam encontrados

A família de um passageiro do avião da Malaysia Airlines desaparecido faz esta terça-feira dois anos apresentou uma ação judicial contra a Boeing, naquele que se acredita ser o primeiro processo nos Estados Unidos relacionado com o voo MH370 a visar a empresa.

A ação foi interposta há uma semana em Chicago, onde fica a sede da Boeing, em nome de um passageiro do MH370 e cidadão norte-americano Philip Wood. De acordo com uma cópia da queixa apresentada, a que a AFP teve acesso, no processo judicial é alegado que o Boeing 777 operado pela Malaysia Airlines era defeituoso, com os familiares da vítima a pedirem que o tribunal determine uma indemnização.

O primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, declarou na segunda-feira à noite, madrugada desta terça em Portugal, que ainda tem esperança de que sejam encontrados no Índico os restos do avião da transportadora Malaysia Airlines, que desapareceu dos radares civis na madrugada de 8 de março de 2014, cerca de 40 minutos depois de levantar voo da capital malaia.

“O desaparecimento do MH370 não tem precedentes e a sua busca tem sido um dos maiores desafios da história da aviação. Equipas de busca trabalham sem descanso numa das zonas mais inóspitas do mundo”, sublinhou Razak.