Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Lula foi “um dos principais beneficiários” dos desvios da Petrobras, diz Procuradoria

  • 333

Agentes da Polícia Federal junto ao Instituto Lula, esta manhã

STRINGER/REUTERS

Em causa estão vários indícios como obras num apartamento de luxo, em Guarujá, a compra de propriedades rurais em nome de terceiros, em Atibaia, bem como doações e palestras

Lula da Silva foi “um dos principais beneficiários” de crimes cometidos no âmbito do caso Petrobras, diz sem qualquer reserva o comunicado emitido esta sexta-feira pela Procuradoria brasileira, acrescentando a nota que há “evidências” de que o ex-Presidente recebeu valores do esquema estatal sob investigação através de reformas de luxo num apartamento tríplex, em Guarujá, da compra de propriedades, em nome de terceiros, em Atibaia, e também através de doações e palestras.

No dia em que a Operação Lava Jato chega à sua 24.ª fase - batizada Aletheia, numa alusão à expressão grega que significa “busca da verdade” - e em que Lula da Silva foi levado de sua casa, na grande São Paulo, para ser ouvido pelas autoridades, o comunicado do Ministério Público Federal brasileiro sublinha que ao longo das etapas anteriores do processo, “avolumaram-se” as evidências de enriquecimento de funcionários da Petrobras, operadores e partidos políticos.

Em relação ao ex-Presidente, escreve o jornal “Folha de São Paulo”, está ainda sob suspeita um valor de 1,3 milhões de reais (perto de 238 mil euros), verba que a empreiteira OAS pagou a uma empresa contratada para armazenar artigos de Lula, obtidos durante o seu período na presidência, apesar de na fatura serem mencionados como bens da própria OAS.

Manifestações contra e a favor de Lula

Alvo de um mandado de condução coerciva (quando o investigado é obrigado a depor, saindo depois em liberdade), a detenção de Lula da Silva foi violentamente contestada pelo Instituto Lula, alvo também da ação da Polícia Federal.

“A violência praticada hoje (4/3) contra o ex-Presidente Lula e sua família, contra o Instituto Lula, a ex-deputada Clara Ant e outros cidadãos ligados ao ex-Presidente, é uma agressão ao Estado de direito que atinge toda a sociedade brasileira. A ação da chamada Força Tarefa da Lava Jato é arbitrária, ilegal, e injustificável, além de constituir grave afronta ao Supremo Tribunal Federal”, acusa a instituição, em comunicado, divulgado pelos media.

Em frente à casa de Lula, desde o início da manhã, tem havido registo de discussões e mesmo confrontos, envolvendos apoiantes e manifestantes contra o antigo Presidente. Também no aeroporto de Congonhas, para onde Lula da Silva foi levado levado para para prestar depoimento, na base da Polícia Federal no local, centenas de cidadãos juntaram-se para protestar contra o antigo Presidente. Entre as palavras de ordem gritadas podia ouvir-se “Nossa bandeira jamais será vermelha”, slogan que ficou sem resposta durante mais de uma hora, até à chegada ao aeroporto de militantes do PT, entoando palavras de apoio como “Lula, guerreiro do povo brasileiro”. A ameaça de confusão levou a que a Polícia Militar separasse os dois grupos.

A operação Lava Jato começou em março de 2014 e investiga um esquema bilionário de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Esta sexta-feira, a Polícia Federal cumpriu também mandados de busca e apreensão na casa do ex-Presidente, na casa e empresa dos seus filhos e na quinta que era frequentada regularmente por Lula da Silva, em Atibaia.

Ao todo, foram emitidos 44 mandados judiciais, sendo 33 de busca e apreensão e 11 de condução coerciva.