Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Coreia do Norte responde com mísseis a novas sanções da ONU

  • 333

Han Myung-Gu

Especialista da Universidade de Estudos Norte-Coreanos, em Seul, diz que é improvável que Pyongyang leve a cabo novos testes antes de maio, quando se dá a convenção anual do partido dos trabalhadores no poder

A Coreia do Norte disparou esta quinta-feira vários mísseis de curto alcance a partir da sua costa oriental, numa aparente demonstração de força após o Conselho de Segurança das Nações Unidas ter aprovado um novo pacote de sanções ao regime — "as mais duras aplicadas pela organização nos últimos 20 anos", nas palavras da embaixadora dos EUA na ONU, Samantha Power.

A notícia foi avançada pelo Ministério da Defesa da Coreia do Sul, que diz que o exército popular norte-coreano lançou os mísseis para o Mar do Japão a partir de Wonsan, no sudeste da península coreana, disse à agência Efe o porta-voz da Defesa de Seul, Moon Sang-gyun, sem mais detalhes. Outra fonte oficial sul-coreana diz que os seis projéteis disparados pelas forças do Norte alcançaram uma distância de entre 100 e 150 quilómetros antes de caírem no mar.

O Departamento de Estado norte-americano disse ter visto os relatórios do lançamento e estar a monitorizar a situação. No passado, a Coreia do Norte já reagiu com disparos e lançamentos de mísseis considerados "menores" a partir das suas fronteiras em resposta a condenações e pressões internacionais.

O lançamento desta quinta-feira é visto como uma resposta à aprovação de um novo pacote de sanções endurecidas no Conselho de Segurança, em resposta a recentes testes de mísseis de longo alcance e um alegado primeiro teste pelo país a uma bomba de hidrogénio.

É improvável que o regime de Kim Jong-un leve a cabo provocações maiores até maio, quando o partido dos trabalhadores, no poder, leva a cabo a sua convenção, disse o professor Yang Moo-jin, da Universidade de Estudos Norte-Coreanos em Seul, citado pelo "The Guardian".