Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

O que é que Leonardo DiCaprio e Bin Laden partilhavam?

  • 333

Até ao 11 de Setembro de 2001, pouca gente tinha ouvido falar de Osama Bin Laden

FOTO REUTERS

As preocupações com os impactos “catastróficos“ das alterações climáticas no planeta Terra. Numa carta que o chefe da Al-Qaeda escreveu “ao povo americano” antes de ser morto em 2011, Bin Laden pedia que se unisse ao Presidente Barack Obama para “salvar a Humanidade”

Osama bin Laden escreveu uma carta dirigida ao povo americano pedindo-lhe que ajudasse o Presidente Barack Obama a lutar com as "alterações climáticas catastróficas" para poderem "salvar a Humanidade".

Até agora inédita, a carta estava junto de outros documentos e materiais que foram encontrados pelas forças especiais dos EUA que, em 2 de março de 2011, levaram a cabo uma operação em Abbottabad, no Paquistão, que culminou no abate do homem então mais procurado do mundo.

A carta foi tornada pública esta quarta-feira, depois de no domingo Leonardo DiCaprio ter dedicado o seu discurso de vitória pelo Óscar de Melhor Ator à mesma questão "urgente" — uma batalha que tem tido no ator um dos seus grandes heróis.

A missiva não tem data. Apesar de não estar assinada, os especialistas atribuem-na ao líder da Al-Qaeda, dizendo que Bin Laden a terá escrito por alturas do início do primeiro mandato de Obama na Casa Branca, em 2009, com base nas referências a determinados eventos. Nela emergem as preocupações profundas do "mais procurado terrorista" que já eram conhecidas desde maio de 2015, quando a primeira tranche de documentos encontrados no complexo de Abbottabad foi tornada pública.

Nesta nova carta, Bin Laden culpa as multinacionais que controlam o capital pela crise financeira que atingiu os Estados Unidos entre 2007 e 2008, para além das invasões norte-americanas do Iraque e do Afeganistão, e pede aos norte-americanos que lancem "uma grande revolução pela liberdade" que permita a Obama tomar "uma decisão racional de salvar a Humanidade dos mais perigosos gases que ameaçam o nosso destino".

É uma postura próxima da de DiCaprio, da de milhares de ativistas ambientais e de vários governos espalhados pelo mundo, mas longínqua da do Partido Republicano norte-americano, que continua a ignorar a urgência em agir para salvar o planeta Terra, cujos membros — incluindo os candidatos à presidência Ted Cruz e Marco Rubio — classificam o aquecimento global como um mito.

Numa outra carta tornada pública esta quarta-feira, Bin Laden pede a um membro da Al-Qaeda e seu conselheiro próximo que lance uma campanha de media por alturas do 10.º aniversário dos atentados de 11 de Setembro de 2001, onde se inclua um pedido urgente para diminuir as emissões de gases com efeito de estufa.

De acordo com as autoridades norte-americanas, Bin Laden deixou 29 milhões de dólares (quase 27 milhões de euros) de herança ao grupo terrorista que liderava, pedindo numa outra carta que a maior fatia desse dinheiro fosse usada para dar seguimento às lutas da Al-Qaeda.