Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Mesmo que Trump não condene o KKK, é melhor do que ter um Presidente democrata”

  • 333

Mike Rounds, senador republicano da Dakota do Sul, diz que Trump continua a ser o melhor candidato à Casa Branca apesar da sua proximidade ao KKK

Chip Somodevilla

A declaração incendiária foi feita pelo senador republicano Mike Rounds, antes de as votações desta Superterça-feira firmarem liderança do magnata na corrida à nomeação republicana

O senador republicano pelo estado da Dakota do Sul, Mike Rounds, declarou esta terça-feira que nem as declarações controversas de Donald Trump sobre o Ku Klux Klan e o antigo líder do grupo de supremacia branca David Duke, lhe tiram validade na corrida à nomeação republicana — acrescentando que mesmo assim é uma escolha melhor do que ter Hillary Clinton ou Bernie Sanders na Casa Branca.

"Mesmo que as pessoas estejam desapontadas com a forma como ele respondeu a isso, mesmo que estejam zangadas com ele, que discordem dele, mesmo que ele o tenha feito intencionalmente — não penso que o tenha feito, penso que apenas cometeu um erro — mas mesmo que o tenha feito, ele fará um melhor trabalho [como Presidente dos EUA] do que Hillary ou Bernie", disse Rounds citado pelo "Huffington Post" horas antes de encerrarem as urnas nos 12 estados que foram a votos nesta Superterça-feira, madrugada desta quarta em Portugal. (Trump ganhou em sete desses estados, afigurando-se cada vez mais como o provável candidato do partido às presidenciais de 8 de novembro.)

Em causa estão os eventos do passado domingo, quando Trump recusou por três vezes distanciar-se do Ku Klux Klan em entrevista à CNN, após Duke ter pedido aos ouvintes do seu programa de rádio para que se unam em torno do magnata que continua a liderar a corrida à nomeação republicana. Mais tarde, quando confrontado pelos media com esse facto, Trump atribuiu culpas ao auscultador "defeituoso" que o canal lhe colocou no ouvido para a entrevista transmitida em direto.

Paul Ryan, líder da maioria republicana na Câmara dos Representantes, foi um dos primeiros a condenar Trump pelo facto de não se demarcar claramente do KKK. Mas para Rounds, isso não importa. "Se ele for o nomeado [republicano], ele trará mais gente às urnas ou não? Pode classificar-se isso como transacional, mas é um facto", declarou o senador, tentando ainda assim distanciar-se da postura do magnata e condenando o grupo racista.