Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Desvendado arquivo de Bob Dylan. São mais 6 mil peças

  • 333

Christopher Polk/GETTY

O espólio do cantor será exposto em Tulsa, nos EUA. O arquivo do também compositor norte-americano está avaliado entre 13 e 18 milhões de euros

Há muito tempo que os fãs de Bob Dylan suspeitavam que o cantor e compositor norte-americano escondia um vasto arquivo pessoal. Depois do famoso caderno vermelho - que está exposto na Morgan Library & Museum em Nova Iorque -, com letras do álbum Blood on the Tracks (1975), foram descobertos mais elementos do arquivo pessoal de Bob Dylan.

São mais de seis mil peças - anotações, correspondência, letras de músicas, filmes, fotografias e gravações desde o início da sua carreira - que foram catalogadas durante dois anos. O arquivo – avaliado em cerca de 13 a 18 milhões de euros (15 a 20 milhões de dólares) foi adquirido pela George Kaiser Family Foundation – que pertence a um magnata do sector financeiro e do petróleo - e a Universidade de Tulsa, avança o “New York Times” que teve acesso à coleção.

O arquivo será exposto em Tulsa, nos Estados Unidos, junto do arquivo do músico Woody Guthrie e de uma cópia rara da Declaração da Independência dos EUA. “Para mim faz muito sentido e é uma grande honra”, confessou o artista.

Os estudiosos garantem que a descoberta vai revolucionar a análise ao trabalho do cantore compositor de 74 anos. “[O arquivo] vai inaugurar uma nova forma de estudar Dylan. Este é um artista cujo processo criativo foi mantido em privado, assim como a sua vida pessoal”, observou Sean Wilentz, historiador e autor do livro “Bob Dylan in America” ao jornal norte-americano.

Entre os documentos revelados encontra-se um cartão de Barbra Streisand - de novembro de 1978 - em que a cantora agradece a Bob Dylan pelo envio de umas flores e sugere que ambos gravem um disco juntos.

Os fãs do cantor poderão também ver esboços da canção “Dignity” ou anotações sobre o seu livro “Tarântula”. É um vasto espólio para explorar e admirar.