Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

O supermercado que vende o que os outros deitam fora

  • 333

WEFOOD/FACEBOOK

Abriu na Dinamarca o primeiro supermercado de excedentes alimentares. O WeFood combate os números “ridículos” do desperdício, vendendo apenas comida com embalagens danificadas ou fora do prazo de validade

Que atire a primeira pedra quem nunca abriu a despensa e se deparou com um produto fora do seu prazo de validade, apenas para o encontrar em perfeitas condições de consumo. O mesmo se pode dizer sobre quem nunca comprou – por distração ou perícia – uma peça de fruta menos “bonita”, apenas para descobrir que é a mais saborosa do lote.

Aí entra em cena o WeFood, no reino da Dinamarca, o primeiro supermercado onde apenas são vendidos os excedentes alimentares considerados “intocáveis” por outras superfícies comerciais. A ideia é simples: a loja estabelece acordos com supermercados para obter a comida que estes, de outro modo, deitariam fora. O mesmo acontece junto dos produtores, onde é comprada a fruta que, por motivos de calibragem ou pelo simples aspeto estético, é rejeitada pelos grandes retalhistas. Vende depois todos os produtos conseguidos a metade do preço.

“O WeFood é o primeiro supermercado do seu género no mundo, uma vez que não é só direcionado a compradores com baixos rendimentos mas também a qualquer cidadão preocupado com a quantidade de comida desperdiçada no país”, afirma a Folkekirkens Nødhjælp, organização não-governamental responsável pela loja.

A WeFood abriu no início de fevereiro e pretende alertar os mais conscientes para as implicações ambientais do desperdício mas também se dirige àqueles que veem o seu orçamento limitado. Os dinamarqueses têm uma economia saudável, uma média salarial relativamente alta e o desemprego está a baixar. Mas também é verdade que a Dinamarca é terceira na lista de países da União Europeia onde a alimentação sai mais cara.

A ideia nasceu através do recurso ao crowdfunding, onde a ONG conseguiu juntar um milhão de coroas dinamarquesas (135 mil euros) para abrir a sua primeira loja em Copenhaga. O estabelecimento comercial é gerido por voluntários e todos os lucros são direcionados para a luta mundial contra a fome. Se a primeira loja resultar, muitas mais se seguirão, numa iniciativa aplaudida pela ministra da Alimentação do país.

“É ridículo que a comida seja simplesmente atirada para o lixo ou deixada a apodrecer. É mau para o ambiente e é dinheiro gasto em nada (o custo ascende aos 1550 milhões de euros por ano). Ideias como esta fazem todo o sentido e são um passo importante no combate ao desperdício”, diz Eva Kjer Hansen, de acordo com o britânico “The Independent”.

A solução para a fome está no lixo

Os números do desperdício alimentar são aterradores. As Nações Unidas afirmam que 1,3 mil milhões de toneladas de comida são desperdiçadas no mundo todos os anos, cerca de um terço do que é produzido. E se estes números têm um grande impacto ao nível da pobreza, também o têm no campo ambiental. Comida deitada fora, deixada a apodrecer em lixeiras, origina mais emissões de metano para a atmosfera, contribuindo de forma séria para o aquecimento global.

Nos últimos tempos a Europa tem vindo a tomar, de forma tímida, medidas contra o desperdício alimentar. Na França, uma lei aprovada em Parlamento impediu os supermercados de deitar fora a comida não vendida. As grandes empresas são assim obrigadas a doar os excedentes a instituições de caridade e bancos alimentares. Mas os criadores da lei vão mais longe e exigem que a medida se estenda aos Estados Unidos e à União Europeia. “O problema é simples: temos muita comida a ir para o lixo e ainda mais pessoas a passar fome.”