Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Oficiais norte-americanos em Seul para começar a instalar escudo antimísseis

  • 333

O líder norte-coreano, Kim Jong-Un, supervisionou o teste de mísseis balísticos subaquáticos

EPA

Aliados assinam entre quarta e quinta-feira, na capital sul-coreana, o acordo oficial que vai possibilitar a instalação do THAAD na península, em resposta aos recentes testes de mísseis e da bomba H pela Coreia do Norte

Seul e Washington vão assinar já esta semana um acordo tido como o primeiro passo formal para a eventual instalação do escudo antimísseis norte-americano THAAD na Coreia do Sul, informou na madrugada desta terça-feira o Ministério da Defesa sul-coreano.

Os países vão assinar, na capital sul-coreana, um documento onde se delineiam os "termos de referência" do THAAD, incluindo as possíveis localizações geográficas do sistema, entre esta quarta e quinta-feira, depois de se "afinarem alguns detalhes ainda pendentes", disse a mesma fonte citada pela agência Efe. Será ainda formado um grupo de trabalho para negociar os principais aspetos relacionados com o destacamento do sistema antimísseis, como a distribuição dos custos entre as duas nações.

A Coreia do Sul, que mantinha uma postura dúbia face à vontade dos EUA em instalar no seu território um escudo antimísseis, mudou de ideias e aceitou dar início a conversações oficiais após o que a comunidade internacional suspeita ter sido mais um teste de mísseis pela Coreia do Norte, levada a cabo no início deste mês depois de o regime de Pyongyang ter alegadamente testado pela primeira vez uma bomba de hidrogénio.

  • Bomba H. Porque é tão temida, quem a tem e outras ameaças

    A Coreia do Norte diz ter testado uma bomba de hidrogénio (a bomba H) com maior poder detonante, que reforça o arsenal nuclear já existente e o parque de mísseis balísticos de médio alcance. Tem um poder destrutivo incrivelmente superior ao da bomba de Hiroshima

  • Coreia do Norte diz que testou a bomba H, mas há dúvidas

    A Coreia do Norte acaba de aceder ao “grupo dos Estados nucleares avançados”, garantem as autoridades de Pyongyang. A realização de um teste nuclear, esta quarta-feira, não está em causa. Mas especialistas duvidam que tenha envolvido uma bomba de hidrogénio, como os norte-coreanos reclamam