Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

E aqui estou eu, a celebrar a História negra

  • 333

D.R.

“Lembro-me dos tempos anteriores ao presidente Hoover. Lembro-me de não termos eletricidade. Lembro-me do primeiro modelo da Ford. Vivia em Washington quando Martin Luther King foi assassinado”. Agora, Virginia McLaurin pode acrescentar uma página a uma vida cheia de história: conheceu Obama e dançou com ele

Virginia McLaurin nasceu em 1909, na Carolina do Sul, Estados Unidos. Nos seus 106 anos de vida viu e passou por muito: o início e o fim das duas guerras mundiais, o direito das mulheres a votar, o assassínio de Martin Luther King. Só lhe faltava ver uma coisa, algo que acreditava que nunca iria acontecer: um presidente negro a liderar os Estados Unidos. Mas aconteceu e Virginia cumpriu esta segunda-feira o seu maior desejo quando entrou na Casa Branca pelo próprio pé, apoiada numa bengala, e conheceu Barack e Michelle Obama.

Toda a história parece um mix perfeito para o sucesso nas redes sociais: a simpatia de Obama, uma Michelle feliz e a dançar (não é a primeira vez que a primeira-dama mostra os seus dotes de dançarina) e a emoção e entusiasmo de Virginia, que faz questão de dizer aos dois: "Estou tão feliz. Um presidente negro. Uma primeira-dama negra. E aqui estou eu, a celebrar a História negra".

A visita de Virginia, que aconteceu por ocasião do mês em que os Estados Unidos celebram a herança afroamericana, correu as redes sociais (o vídeo que a Casa Branca partilhou no Facebook chegou em poucas horas ao meio milhão de gostos, somando já mais de 400 mil partilhas). Não é de espantar: como lembra um dos comentários mais populares à publicação, "ela viveu para ver duas guerras mundiais, o auge da segregação racial e finalmente a eleição de um presidente negro".

A história de Virginia é rica, mas esta não é a primeira vez que as redes sociais e a Internet em geral se dão conta disso. A idosa começou a chamar as atenções há poucos anos, quando começou o trabalho como voluntária para uma escola de Washington, onde vive desde 1941. Hoje em dia, aos 106 anos, Virginia continua a trabalhar 40 horas por semana para ajudar crianças com deficiências motoras e mentais.

Um pedido de ajuda urgente

No entanto, em 2014 foi Virginia quem precisou de ajuda. Depois de em 2012 a empresa imobiliária Wexford Property Management se ter tornado sua senhoria, as condições do apartamento em que vive desde que se mudou para Washington começaram a deteriorar-se ao ponto de a casa ter sido invadida por percevejos, forçando a idosa a livrar-se de todos os seus móveis e passar a dormir num colchão de água - uma situação que se arrastou durante cinco meses.

Nessa altura, conhecidos de Virginia tentaram ajudar, criando uma página de Facebook para explicar a situação e pedidos de ajuda em duas plataformas de crowdfunding diferentes. O esforço compensou: semanas depois, uma empresa de desinfestação, a Innovative Pest Management, aliou-se à Wexford Property Management para limpar a casa, pintar as paredes, trocar as fechaduras e instalar carpetes novas. Para mais, as petições conseguiram somar 1.226 dólares (1.113 euros) para melhorar a situação de Virginia.

Apesar de ter um filho, a idosa diz não querer ser um "fardo" para ninguém, conforme reporta a ABC News, que através da sua equipa de ajuda ao consumidor 7 On Your Side foi responsável por chamar as atenções para a situação de Virginia. Atenções que a idosa aproveitou para tentar realizar um sonho: conhecer Barack Obama.

A petição não preenche os requisitos necessários

"Nunca conheci um presidente. Não pensei que chegasse a ver um presidente negro porque nasci no Sul. Lembro-me dos tempos anteriores ao presidente Hoover. Lembro-me de não termos eletricidade. Lembro-me do primeiro modelo da Ford. O meu marido estava no exército e morreu em 1941. Vivo em Washington desde então. Vivia aqui quando Martin Luther King foi assassinado", explica Virginia na petição dirigida a Obama e publicada em dezembro de 2014 no website oficial da Casa Branca. Acima, um aviso: "a petição não preenche os requisitos necessários".

Mas Virginia não desistiu. Com página de Facebook própria, Virginia chegou a publicar um vídeo no Youtube onde pedia para conhecer Obama – de forma muito humilde: "Sei que é um homem ocupado, mas adorava conhecê-lo. Podia ir a sua casa para facilitar as coisas. Rezo a Deus para que um dia o possa conhecer".

Aos 106 anos, Virginia cumpriu o seu desejo e, segundo o próprio presidente, melhorou o dia a Obama. Virginia McLaurin celebra o 107º aniversário a 12 de março.