Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Egito condena criança de quatro anos a prisão perpétua

  • 333

Criança está entre os 116 condenados in absentia por tribunal do Cairo sob acusações de homicídio, destruição de propriedade e incitamento a motins e protestos

Uma criança egípcia de quatro anos foi uma das 116 pessoas que um tribunal do Cairo condenou a prisão perpétua na quinta-feira, pelos alegados crimes de homicídio, destruição de propriedade e incitamento a motins e manifestações — num caso que remonta a 3 de janeiro de 2014, quando a criança em questão tinha apenas um ano e meio de idade.

De acordo com os advogados de defesa dos arguidos, condenados in absentia, o tribunal militar que ditou as sentenças recusou-se a aceitar os documentos que provam a idade de Ahmed Mansour Qarni. O advogado Ramadan Farhat garante que Qarni nasceu em setembro de 2012 e acusa o tribunal de ignorar o certificado de nascimento da criança e avançar com o veredito.

Qarni e os outros 115 egípcios condenados esta semana a passar a vida na prisão integram um grupo de mais de 100 mil cidadãos do país que foram detidos e julgados só em 2015 por oposição ao regime de Abdel Fattah al-Sisi, apontam contas da Amnistia Internacional.