Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Cameron diz não a acordo a qualquer custo

  • 333

À chegada para a cimeira do Conselho Europeu, o primeiro-ministro britânico admitiu que haverá trabalho “duro” pela frente, mas que será possível alcançar um acordo melhor com a União Europeia

David Cameron é taxativo: o Reino Unido não aceitará um acordo a qualquer custo. “Se conseguirmos alcançar um acordo melhor aceitaremos, mas não chegaremos a um acordo que não vá ao encontro das nossas necessidades”, declarou o primeiro-ministro à chegada para a reunião do Conselho Europeu, em Bruxelas.

Garantindo que está a lutar pelos interesses do país, Cameron admite que será difícil mas ainda acredita que acabará por ser possível chegar a um consenso. “Temos algum trabalho importante para fazer entre hoje e amanhã [sexta-feira] e será difícil. Penso que é muito mais importante fazer isto bem do que sermos apressados”, acrescentou.

O governante britânico disse ainda esperar que com “bom vontade” e “trabalho árduo” seja possível alcançar um acordo com a União Europeia mais positivo para o Reino Unido.

Esta quinta e sexta-feira, a cimeira do Conselho Europeu servirá para debater as reformas exigidas pelo Reino Unido à UE, sob o risco de o país abandonar a união.

  • Esforço final de Cameron para reformas à UE pode sair furado

    Documento secreto sobre acordo alcançado entre o primeiro-ministro britânico e o presidente do Conselho Europeu mostra que Donald Tusk não conseugiu garantir consenso entre os líderes dos 28 Estados-membros. Proposta de reformas exigidas pelo Reino Unido para permanecer no bloco começa esta tarde a ser discutida na cimeira da União Europeia em Bruxelas

  • Brexit: cimeira decisiva

    Todos querem que o Reino Unido fique na União Europeia. Mas poucas horas antes do início da Cimeira, muitas questões continuam em aberto. O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, volta hoje a falar com o primeiro-ministro britânico, David Cameron

  • Cameron confia que Parlamento Europeu aprovará acordo proposto pelo Reino Unido

    Mais cauteloso, o presidente da instituição europeia responde que endosso à proposta negociada entre Londres e Donald Tusk por eurodeputados “não pode ser garantido”. Redução dos apoios a migrantes é o ponto mais contestado da agenda apresentada pelo Reino Unido como condição para permanecer no bloco. Reformas serão debatidas esta quinta e sexta-feira na cimeira da União Europeia