Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Áustria limita a 3200 as entradas diárias de refugiados

  • 333

AMMAR ABDULLAH/REUTERS

Eslovénia já seguiu exemplo e anunciou imposição de quotas

A Áustria anunciou esta quarta-feira à noite que vai impor limites às entradas e aos pedidos de asilo no seu território, para controlar a quantidade de pessoas que atravessam o país diariamente. De acordo com as autoridades, os novos limites começam a ser aplicados esta sexta-feira. Apenas 80 pedidos de asilo serão aceites por dia e um máximo de 3200 pessoas será autorizada a atravessar o território austríaco em direção à Alemanha e outros países mais a norte.

Falando aos jornalistas em Viena, a ministra do Interior Johanna Mikl-Leitner disse que o governo não tem alternativa a não ser agir desta forma, porque continua sem ser alcançada uma solução política europeia para resolver a atual crise humanitária. "É uma questão de senso comum garantir a segurança nas nossas fronteiras enquanto não houver uma solução europeia. Vejo como nossa responsabilidade manter a segurança, a ordem e a qualidade de vida na Áustria para os nossos cidadãos. Não conseguimos lidar com o número de pedidos de asilo que recebemos no ano passado."

O país tornou-se incontornável na rota dos milhares de refugiados que, todos os dias, buscam refúgio na União Europeia, sobretudo desde que a Hungria concluiu a construção de muros nas fronteiras com a Sérvia, em setembro, e com a Croácia em outubro. Em todo o ano passado, a Áustria acolheu cerca de 90 mil requerentes de asilo, o correspondente a 1% do total da sua população, com as autoridades a esperarem que esse número seja reduzido para 37.500 pessoas este ano.

O acolhimento de refugiados e migrantes, na sua maioria pessoas que fogem de guerras e da fome no Médio Oriente e em África, é apontado como o principal combustível da subida de popularidade da extrema-drireita no país.

Em reação ao anúncio austríaco, a vizinha Eslovénia e outros vizinhos dos Balcãs que estão na rota dos refugiados indicaram que também vão aplicar medidas idênticas para impedir os atuais níveis de passagens diárias nos seus territórios. Seis dos 28 Estados-membros da União Europeia, incluindo a Alemanha e a Hungria, já estão há vários meses a selecionar as passagens e entradas diárias.