Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Presidente do PP Madrid demite-se assumindo “responsabilidade políticas”

  • 333

FERNANDO ALVARADO/EPA

A decisão foi tomada por Esperanza Aguirre na sequência de informações sobre o alegado financiamento ilegal do partido

A presidente do Partido Popular de Madrid, Esperanza Aguirre, apresentou este domingo a demissão do cargo na sequência de informações sobre o alegado financiamento ilegal do PP e que a levaram a "assumir responsabilidades políticas".

Aguirre disse aos jornalistas, na sede nacional do Partido Popular na capital espanhola, que já informou o presidente do partido, Mariano Rajoy, da decisão de abandonar o cargo que ocupava em Madrid, acrescentando que o chefe do executivo "compreendeu" a posição.

Na sexta-feira, Aguirre assegurava sentir-se apoiada pela direção nacional do partido, após as buscas judiciais efetuadas no dia anterior à sede do PP na capital no âmbito da investigação aos pagamentos da rede "Trama Púnica" e que serviram, supostamente, para financiar ilegalmente o PP madrileno.

Este domingo, na conferência de imprensa, Aguirre afirmou que "as pessoas querem gestos" e que, por isso, "tem obrigação em assumir as responsabilidades políticas", apesar de ter explicado que não tem qualquer "responsabilidade material" e que não pode ser acusada de nada.

Esperanza Aguirre apresentou a demissão após "a gravidade das informações" surgidas nos últimos dias relacionadas com o PP de Madrid e que, afirmou, devem ser "confirmadas" e "não devem ser tomadas como "absolutamente corretas".

Aguirre acrescentou que a corrupção está a fazer "grandes estragos em todos os partidos políticos", sublinhando que "os outros" também têm o mesmo problema.

A ex-responsável pelo PP Madrid recordou que nomeou Francisco Granados como secretário-geral do partido na capital e que o facto de ele se encontrar detido preventivamente "há já algum tempo" a faz pensar que "alguma coisa grave deve existir".

Mesmo assim, garantiu que pelo que apurou "não consta que se tenha verificado qualquer tipo de financiamento irregular, nem muito menos ilícito" que envolva o PP Madrid.

Aguirre acrescentou que o partido tem um tesoureiro, um gerente, um secretário-geral e um contabilista e que a gestão dos assuntos económicos não são responsabilidade da presidência do PP Madrid.

Esperanza Aguirre frisou na conferência de imprensa desta tarde que não tem responsabilidade direta nas atuações dos últimos dias, mas que "tem uma responsabilidade política" que quis demonstrar ao apresentar a demissão.