Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Luz verde para primeiro transplante de fígado entre portadores de HIV

  • 333

Trata-se do primeiro transplante deste género no mundo e vai realizar-se nos EUA. “Estamos muito gratos ao Congresso e a Obama”

O hospital universitário americano John Hopkins já tem autorização para realizar os primeiros transplantes hepáticos e renais entre um dador que é portador de HIV e um receptor nas mesmas condições. A medida já foi aprovada pela organismo que tutela os transplantes nos EUA [United Network for Organ Sharing] e o John Hopkins vai ser o primeiro centro de investigação médica no mundo a realizar um transplante de fígado entre pacientes portadores de HIV.

Este tipo de transplantes é decisivo para prolongar a vida dos pacientes portadores de HIV. O anúncio da realização destes transplantes é um marco “incrivelmente importante para o hospital e para a equipa, mas ainda é mais importante para os pacientes que vivem com o HIV e doenças de órgãos em estágio final”. “Para estes indivíduos, isto significa uma nova chance na vida”, diz Dorry Segev, professor de cirurgia na Escola de Medicina do John Hopkins.

Além de ser a primeira instituição clínica do mundo a fazer transplantes de fígado entre portadores de HIV, o hospital John Hopkins também será o primeiro centro de pequisa nos EUA a fazer transplantes renais entre estes pacientes.

A alteração legislativa que permite a doação de órgãos por parte de pessoas HIV positivas foi aprovada em 2013. Nos EUA há 122 mil pessoas em lista de espera para serem transplantadas.

O investigador Dorry Segev estima que, em cada ano, cerca de 500 a 600 pacientes HIV positivos possam doar órgãos que poderão salvar a vida de mais de mil pessoas: “Estamos muito gratos ao Congresso, a Obama e a toda a comunidade de transplantes por nos deixar usar órgãos de pacientes HIV positivos para salvar vidas em vez de jogá-los fora, como tivemos de fazer durante tantos anos”.

A equipa do hospital John Hopkins fará os primeiros transplantes logo que sejam identificados dadores e receptores de órgãos que sejam compatíveis.