Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

General francês detido em manifestação da extrema-direita

  • 333

Comandou a Legião Francesa no final dos anos 90. Agora, aos 76 anos, Christian Piquemal lamenta a “islamização crescente” da França. Este sábado foi detido numa manifestação promovida pela extrema-direita em Calais

Um antigo comandante da Legião Francesa, general Christian Piquemal, de 76 anos, terá de comparecer perante um juiz por ter participado numa manifestação contra a imigração ilegal, convocada por grupos de extrema-direita e proibida pelas autoridades gaulesas. Fonte judiciais disseram ao jornal “Liberation” que general Piquemal, já reformado, desempenhou uma “papel central” no protesto que decorreu este sábado em Calais, norte de França, durante o qual foi detido juntamente com outros manifestantes acusados de posse de armas ilegais como soqueiras e navalhas.

Recorde-se que milhares de migrantes e refugiados encontram-se nos arredores de Calais à espreita de uma oportunidade para chegar ao Reino Unido. A manifestação deste sábado foi convocada pela associação Pegida (Patriotas Europeus contra a Islamização do Ocidente), um movimento considerado islamófobo e tinha sido proibida pelo Ministério do Interior francês por temer que o protesto viesse a terminar em confrontos.

O general Piquemal, principal responsável pela Legião Francesa entre 1994 e 1999, uma tropa de elite, deveria ter comparecido esta terça-feira no tribunal de Boulogne-sur-Mer mas a audiência foi adiada para maio devido ao seu estado de saúde, informou um delegado do procurador. Segundo Jean-Pierre Valensi, “o general deu entrada no hospital de Calais e o médico que o examinou disse que o seu estado de saúde não lhe permitiria comparecer de imediato no tribunal”.

Altos responsáveis do partido de extrema-direita francês, Frente Nacional (FN), já vieram em defesa do antigo militar. Marion Maréchal-Le Pen, a jovem sobrinha da presidente da FN, Marine Le Pen, considerou no Twitter que a detenção do militar foi “injusta” enquanto o presidente da Câmara de Béziers, Robert Ménard, exclamou: “Clandestinos em liberdade, general francês detido!”

A 48 horas da manifestação, Piquemal teria deixado um comentário no fórum Círculo de Cidadão Patriotas, de que é administrador, onde comentou a decisão do Ministério do Interior: “Apesar desta medida arbitrária e abusiva, mantemos a nossa participação, apolítica, que se realizará na forma ordenada, calma e disciplinada das velhas tropas; Estarei presente.”

No mesmo fórum, o general dava as boas vindas a todos aqueles que “amam a França e que querem preservar o seu lugar e influência” e lamentava que o seu país assista a esta “islamização crescente” que é em seu entender resulta de uma “falta de orgulho em ser francês”. “Devemos fazer o for necessário para travar esta descida ao Inferno, reencontrar a grandeza da França e dizer não ao arrependimento e sim à reconquista”, escreveu o general.

Durante a manifestação deste sábado, segundo diversos medias locais, centenas de pessoas pediram a demissão do Presidente francês, François Hollande, e a expulsão dos migrantes. A polícia carregou sobre os manifestantes, cumprindo a ordem do Ministério do Interior.