Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Pais de jiadista britânico detidos por enviarem dinheiro para o filho

  • 333

John Letts e Sally Lane garantem que só enviaram dinheiro para o filho comprar uns óculos. Jack, de 20 anos, juntou-se às fileiras do autoproclamado Estado Islâmico na Síria e – segundo os pais – sofre de uma grave perturbação obsessiva compulsiva

Os pais de um jiadista britânico foram detidos no Reino Unido após terem enviado dinheiro para o filho, noticia o “Telegraph”. John Letts e Sally Lane garantem que só queriam ajudar o filho para poder comprar uns óculos, uma vez que se queixava de problemas oculares. No entanto, a polícia britânica entendeu que o dinheiro poderia ser usado para fins terroristas.

“Posso confirmar que um homem de 55 anos e uma mulher de 53 anos foram detidos por suspeitas de enviarem dinheiro para a Síria, que poderia ser usado para propósitos terroristas”, anunciou a unidade de antiterrorismo da polícia britânica.

Jack Lane, de 20 anos, juntou-se às fileiras do autoproclamado Estado Islâmico (Daesh) na Síria e – segundo os pais – sofre de uma grave perturbação obsessiva compulsiva.

O jovem britânico, conhecido agora como Abu Mohammed, casou-se com uma mulher iraquiana, da qual tem um filho. O casal vivia na cidade de Fallujah, situada a cerca de 70 quilómetros a oeste de Bagdade, de acordo com as informações da polícia britânica.

“Penso que é de loucos que não possamos enviar nem um tostão para o nosso filho doente e ajudá-lo de qualquer forma, sem sermos vistos como apoiantes do terrorismo. Se ele está em perigo e não consegue ver bem, que pai é que não iria tentar comprar um par de óculos para o seu filho?”, questionou John Letts em entrevista ao canal 4News.

O pai assegura que desconhece o paradeiro do filho, sustentando que outro pai agiria da mesma forma. “Ele envia-nos mensagens desesperadas, diz que está frio, que não tem comida ou que não consegue ver. Sabemos que legalmente não estamos autorizados a ajudá-lo, mas não entendemos isso”, afirmou.

A mãe – a quem o filho não escondeu que se tinha viajado para juntar-se ao Daesh – confessa que o seu maior receio é que Jack não sobreviva. “O meu maior medo é que ele não consiga sair disto vivo. Esse é o pior sentimento do mundo”, declarou Sally Lane.

Segundo o casal, o filho foi diagnosticado com uma perturbação obsessiva compulsiva “muito severa” durante a infância, apresentando comportamentos cada vez mais “peculiares”.