Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

#JeSuisCircunflexo. Os franceses não querem nada perder este acento

  • 333

Andrew Burton

Sugestão de alterações na ortografia francesa, que afetariam mais de duas mil palavras, gera controvérsia nas redes sociais

A Acadamia Francesa já tinha feito uma proposta semelhante em 1990. Nesse ano, os linguistas da prestigiada instituição, fundada em 1635, sugeriram que o uso do acento circunflexo passasse a ser opcional. E os franceses reagiram em fúria, a mesma fúria que esta semana inundou as redes sociais em França quando vários editores anunciaram que vão passar a aplicar essa regra nos manuais escolares.

Ao contrário do que aconteceu em Portugal, em que o Acordo Ortográfico se tornou oficialmente a única forma correta de escrever, o Ministério da Educação francês fez saber que as alterações em cerca de duas mil palavras coroadas com circunflexos não vão conduzir à extinção desse acento ortográfico e que as duas formas de escrita continuarão a ser aceites. Mas isso não foi suficiente para convencer os franceses.

No Twitter, no Facebook e noutras redes sociais, milhares de cidadãos acusam o governo e os editores de estarem a "emburrecer" os mais jovens e de atacarem a língua francesa para criarem um regime de facilitismo nas escolas. Para se unirem nas condenações à medida, foi criada a hashtag #JeSuisCircunflexo, inspirada no #JeSuisCharlie que encheu as redes sociais a seguir aos atentados contra a redação do jornal satírico "Charlie Hedbo", em Paris, a 7 de janeiro de 2015.

Língua "sob ataque"

A ira cibernética começou quando foi noticiado que a partir de setembro deste ano, no início do ano letivo, as editores vão poder começar a usar a nova ortografia nos manuais escolares. Na notícia avançada pelo portal francês TF1, era citada uma nota do ministério em que são dadas ordens aos professores para que passem a aceitar como corretas as duas formas de escrever as palavras alteradas — quer as que perdem o acento circunflexo, como algumas que deixam de ser hifenizadas ou cujos ditongos são também alterados.

Eis algumas das mudanças previstas na língua, aqui apresentadas na antiga grafia e com a sugestão do Ministério e da Academia Francesa:

Oignon - ognon (cebola)
Nénuphar - nénufar (nenúfar)
S'entraîner - s'entrainer (praticar)
Coût - cout (custo)
Mille-pattes - millepattes (centopeias)
Porte-monnaie - portemonnaie (carteira, porta-moedas)