Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Grupo ateu impedido de se registar no Quénia

  • 333

GIUSEPPE CACACE/GETTY

Associação de Ateus no Quénia alega que foi violado o direito da liberdade de associação previsto na Constituição

Um grupo ateu queixa-se de ter sido impedido de se registar no Quénia, invocando “discriminação”, avança a BBC. Foi no ano passado que o grupo - constituído por 60 elementos - entregou um pedido a solicitar o registo do mesmo, mas só agora é que obteve a resposta.

De acordo com o grupo, as autoridades quenianas alegaram que o registo poderia afetar a “paz... e a ordem” do país. O líder da Associação Ateus no Quénia (AIK), Harrisson Mumia, lamenta que existam “líderes religiosos que abusaram de menores” e apesar disso poderam registar as suas igrejas.

Segundo o responsável trata-se de uma situação de discriminação, estando em causa o direito da liberdade de associação previsto na Constituição. Levará por esse motivo o caso a tribunal. Mas espera desta vez mais sucesso, depois de no ano passado a Justiça ter recusado um pedido da associação para cancelar um feriado, a propósito da visita do Papa Francisco a Nairóbi.

Harrisson Mumia considera que o registo do grupo abriria a porta a uma maior participação em questões públicas, além de facilitar uma série de aspetos burocráticos, como a abertura de uma conta bancária.

A associação tem como objetivo confrontar a fé religiosa, num país em que mais de 97% da população se identifica-se com alguma religião, de acordo com o Pew Research Center.