Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Síria: Negociações de paz suspensas até 25 de fevereiro

  • 333

GEORGE OURFALIAN/AFP/Getty Images

A suspensão das conversas surge depois das partes envolvidas não chegaram a um entendimento mínimo para começarem os trabalhos

O enviado das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura, anunciou esta quarta-feira a suspensão até 25 de fevereiro das negociações sobre o conflito sírio, depois de as partes envolvidas não conseguirem entender-se para o início dos trabalhos.

"Ainda há trabalho a fazer, por todos os envolvidos" disse Staffan de Mistura depois de uma reunião de várias horas com representantes da oposição síria num hotel de Genebra.

O início formal das negociações mediadas pela ONU chegou a ser anunciado por de Mistura na terça-feira, mas os representantes da oposição e do regime do presidente sírio Bashar Al-Assad presentes em Genebra não chegaram a um entendimento mínimo para começarem as conversações.

"Já fixei uma data, 25 de fevereiro, para as próximas discussões. Disse desde o primeiro dia que não iniciaria negociações simplesmente para poder dizer que existem negociações e esta suspensão não significa nem o fim nem o fracasso do diálogo", disse o representante da ONU.

Staffan de Mistura adiantou que as duas partes mantêm a "intenção de dar início a um processo político" para a resolução do conflito na Síria, uma guerra civil sangrenta que se arrasta desde 2011 e já provocou pelo menos 260.000 mortos e mais de 13 milhões de deslocados.

Para além das profundas divergências entre as partes, a intensificação de bombardeamentos do regime de Al-Assad, com o apoio da Rússia, contra as forças da oposição nos dias que antecederam o esperado início das conversações impossibilitaram o diálogo.

Antes da data prevista para a retoma das conversações está prevista para 11 de fevereiro em Munique, na Alemanha, uma reunião do grupo de apoio à Síria, que integra cerca de 20 países, incluindo os principais apoiantes de Bashar Al-Assad, Irão e Rússia, e os apoiantes dos movimentos de oposição, como os Estados Unidos e a generalidade dos países ocidentais.