Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Cem mil sem comboio para festejar o Ano Novo chinês

  • 333

É este o aspeto de muitas dezenas de milhares de pessoas à espera de um comboio que tarda no sul da China

KALYL SILVA

Mau tempo provoca dois dias de aflição a 100 mil pessoas, uma pequena parcela dos 300 milhões de passageiros que atravessam o país para comemorar com a família o Ano Novo durante o Festival da Primavera

Cristina Peres

Cristina Peres

Jornalista de Internacional

Todos os anos, o Festival da Primavera é sinónimo da maior deslocação interna de população na China. Com o início marcado para a próxima segunda-feira, esta é a altura do ano em que praticamente toda a gente tem uma semana livre para visitar a família. Estamos a falar de 300 milhões de chineses em movimento, o equivalente a praticamente toda a população dos Estados Unidos em romaria. Pelo caminho, todos os meios de transporte ficam congestionados e o preço dos bilhetes sobe consideravelmente.

Entre esta terça e quarta-feira, as autoridades chinesas foram obrigadas a enviar um contingente de 6000 polícias para a estação central de Guangzhou, a capital da província de Guangdong, no sul da China. A missão da força policial foi repor a ordem nas gares centrais da cidade, onde cerca de 100 mil pessoas ficaram retidas sem transporte devido ao mau tempo que se faz sentir na zona central do país.

Foram necessárias largas horas para conseguir dispersar a massa de passageiros concentrada nas plataformas da estação que foi construída há 30 anos para uma capacidade máxima de 43.000 pessoas. Segundo o diário “Diário do Povo”, o número de passageiros atingia a centena de milhar enquanto a agência estatal Xinhua, avançava um número da ordem dos 50 mil passageiros, reporta o diário britânico “The Guardian”.

As autoridades locais puseram à disposição dos passageiros oito rápidos extra para transportar os passageiros retidos na gare de regresso aos seus locais de origem, escreve o “Diário de Guangzhou”. Ao mesmo tempo, a Sina, um dos maiores portais chineses, informava que 48 mil passageiros tinham conseguido escapar à estação sobrelotada, embarcando num dos 500 comboios extra que foram postos a circular.

A escala de todas as medidas usadas para obviar à situação é difícil de imaginar na Europa. Entre elas, foram erigidos 16 abrigos temporários com capacidade de albergar 20 mil pessoas, segundi comunicou o porta-voz do grupo chinês de caminhos de ferro, Chen Jianping.

Apesar da escala da operação deste início de 2016, ela não é comparável com o que aconteceu em 2008, quando repetidas tempestades de neve paralisaram todos os transportes na província de Guangzhou.