Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

A tradição em Tlacotalpan voltou a cumprir-se: touros espancados até à morte em nome da Virgem da Candelária

  • 333

Vídeo amador divuldado pelo El País (captura de ecrã)

DR

Mais de 60 mil pessoas deslocaram-se a esta cidade mexicana. Caso tem indignado associações de defesa dos animais

Em nome da tradição, seis touros são espancados até à morte com paus e latas por uma multidão em fúria. Acontece todos os anos por esta altura em Tlacotalpan, município de Veracruz, México, nas tradicionais festas em honra da Virgem da Candelária. E assim foi esta segunda-feira, à semelhança de anos anteriores (as imagens em baixo podem ferir a sensibilidade de alguns leitores).

Manda a tradição que os ganadeiros ofereçam os animais, já velhos e sem valor comercial, para que o seu sacrifício possa alimentar a ira popular. Estes bois e vacas pacíficos e indolentes por natureza e pelo peso da idade são levados para a beira-rio, um dos maiores do México, e obrigados a atravessar o curso de água barrenta para depois serem agredidos até à morte. A história é contada esta segunda-feira no “El País”.

Escreve a correspondente deste jornal no México, Elena Reina, que nenhum destes animais nasceu para marrar nem mesmo para fugir de centenas de “pessoas embriegadas que sorriem enquanto golpeiam os animais com paus e lhes atiram latas de cerveja”. “Os toros de Tlacotalpan nasceram para viver tranquilos e, quando chegar a sua hora, alimentar com a sua carne os famintos”, refere a jornalista.

Desde 2014 que está em vigor neste município com cerca de oito mil habitantes um regulamento que procura refrear os maus-tratos a estes animais. Resultou da pressão de associações de defesa dos animais e da Secretaria de Estado do Ambiente do México. Mas a única mudança, faz notar a Elena Reina, é que alguns animais passaram a atravessar o rio em balsas para serem mortos já na localidade de Tlacotalpan.

Os que conseguem atravessar a nado o rio Papaloapan, um dos maiores do México, são amarrados com uma longa corda quando chegam à margem e arrastados por gente ansiosa de cumprir a tradição. Muita gente. Este ano foram até Tlacotalpan mais de 60 mil pessoas, informa a Câmara Municipal.

O presidente da autarquia, Homero Gamboa, reconhece que pouco ou nada mudou: “Apesar das campanhas de sensibilização, muitas pessoas violam as normas e tentam espancar os animais.”

E assim aconteceu esta segunda-feira. Conta a jornalista do El País que “um senhor muito bebido tentou montar um dos bois. Devido ao seu estado de embrieguês, quando o animal começou a andar, o homem caiu”. À sua volta estavam polícias que nada fizeram para impedir que o dito animal fosse espancado à vista de todos. “Alguns até deram descargas elétricas ao animal para que mexesse e libertasse a adrenalina dos habitantes”, acrescenta Elena Reina.

Para cortar o mal pela raiz, as associações de defesa dos animais, que consideram o regulamento de 2014 muito brando, declaram morte às tradicionais festas em honra da Virgem da Candelária. “As festividades religiosas que não transmitem bons valores às pessoas deveriam ser proibidas e erradicadas”, pode ler-se num comunicado conjunto da AnimaNaturalis México, PATAS y Projeto ARPA, citado pelo “El País”.