Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

A polícia inglesa não consegue resolver este mistério de histórias improváveis

  • 333

Foto do novo "suspeito", Hugh Toner, divulgada pela polícia de Manchester

DR

Autoridades britânicas continuam com um grande mistério em mãos. O caso do idoso encontrado morto há um mês numa colina nos arredores de Manchester já originou várias teorias e teses infundadas. A última, a de que seria um homem que regressou ao local onde 66 anos antes sobrevivera milagrosamente a um acidente aéreo, caiu por terra quando se descobriu que este, afinal, ainda está vivo. Agora aposta-se tudo numa nova pista: a de que seria Hugh Toner, que fugiu de um hospital da Irlanda do Norte há mais de 20 anos

Seis semanas passaram desde que as autoridades inglesas começaram a investigar o misterioso caso do homem encontrado morto - sem documentos de identificação ou telemóvel - numa colina no meio do nada, nos arredores de Manchester, Inglaterra. Até esta quarta-feira, tudo indicava que o homem encontrado sem vida por um ciclista, a 12 de dezembro, seria Stephen Evans - que sobrevivera milagrosamente à queda de um Dakota (DC-3) da British European Airways nessa área, em 1949 - e que teria voltado ao local do acidente 66 anos depois em peregrinação, onde acabaria por morrer.

Mas a tese da polícia inglesa acabaria por cair por terra. Stephen Evans, uma criança de cinco anos na altura do acidente aéro, ainda está vivo, e disso deu conta às autoridades esta quarta-feira, via telefone. O mistério continua.

Afastada a possibilidade de se tratar do sobrevivente à queda do avião, a polícia britânica avança agora com uma nova tese. E a suspeita recai sobre um homem que se encontrava desaparecido há mais de 20 anos. Hugh Toner, assim se chama o novo suspeito, teria fugido de um hospital da Irlanda do Norte em fevereiro de 1994.

Há seis semanas que as autoridades investigam este caso sabendo apenas que o homem misterioso viajou de comboio desde Londres no dia 11 (onde foi filmado pelas câmaras de segurança da estação de comboios da Ealing Broadway) e que terá caminhado até ao local onde foi encontrado sem vida. Para confirmar a identidade do novo suspeito, que teria agora 78 anos, já pediram amostras de ADN à família, residente na Irlanda do Norte.

“Mantemos todas as hipóteses em aberto. Estamos a seguir outras linhas de investigação mas não deixaremos de considerar que se trate de uma pessoa desaparecida. [Hugh Toner] seria fisicamente muito parecido com o homem encontrado morto e vamos ver agora se o ADN esclarece a sua identidade”, disse ao “The Guardian”, John Coleman, um dos detetives que está a investigar o caso.

A primeira autópsia ao corpo do homem misterioso revelou-se inconclusiva tal como os exames toxicológicos realizados, informa ainda a Polícia, garantindo ainda que a mesma será repetida na semana que vem.