Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

EUA e Turquia preparados para solução militar na Síria

  • 333

Vice-presidente norte-americano, Joe Biden, e primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, em Istambul

MURAD SEZER/REUTERS

O vice-presidente norte-americano, Joe Biden, admitiu que os EUA estão “determinados” em conseguir travar o conflito sírio. Já o chefe da diplomacia dos Estados Unidos garantiu que vão iniciar-se, em breve, conversações para a paz na Síria

O vice-presidente Joe Biden garantiu que os Estados Unidos e a Turquia estão preparados para encontrar uma solução militar na Síria caso seja impossível conseguir um acordo político.

Após o encontro com o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, na sexta-feira, Biden disse que os EUA estão dispostos a procurar alternativas que incluem “destruir o Daesh”.

Quando questionado sobre a perspetiva de conseguir um acordo político para a Síria, Joe Biden respondeu: “Não estamos otimistas nem pessimistas. Estamos determinados”.

Os responsáveis discutiram ainda a forma como os dois países vão continuar a apoiar os rebeldes sunitas que combatem as forças do Presidente sírio Bashar al-Assad.

Kerry confiante em resolução de paz

Já este sábado, o secretário de Estado John Kerry, em visita à Arábia Saudita, anunciou que o Syrian Support Group - organização não-governamental composta por 20 nações que discute uma solução para a guerra na Síria - vai reunir-se “brevemente”.

Kerry está confiante que as conversações possam continuar na segunda-feira, em Genebra, apesar de problemas relacionados com a representação da oposição síria.

Este sábado, Kerry discutiu por telefone com o seu homólogo russo, Sergei Lavrov, a composição da delegação que estará presente no encontro. “Foi dada particular atenção à necessidade de formar uma delegação de membros da oposição [síria] verdadeiramente representativa”, disse em comunicado o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo.

O grupo de 20 nações e organizações, que vai juntar-se em Genebra, traçou um plano para uma transição política com vista a terminar os quase cinco anos de guerra na Síria, que já custou a vida a mais de 260 mil pessoas e deixou vários milhões de deslocados.