Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tonga, o país onde a gordura é formosura e a diabetes abunda

  • 333

O antigo rei de Tonga, Tupou IV, detinha o recorde do Guiness por ser o rei mais pesado do mundo. Pesava 200 kg e morreu em 2006

MATANGI TONGA / AFP / Getty Images

Nesta ilha do Pacífico, as novas gerações cresceram a comer restos de carne de carneiro impróprios para consumo e a beber refrigerantes com gás e açúcar. O resultado está à vista: 40% da população tem diabetes e a esperança de vida caiu para os 64 anos

No sul do Oceano Pacífico situa-se a ilha de Tonga, um pequeno país em que a dieta habitual é composta por peixe, vegetais e cocos. Pelo menos era assim até ao século passado, quando a carne de peru e, sobretudo, os restos impróprios para consumo de carneiro - um produto particularmente barato vindo da Nova Zelândia - começaram a chegar à ilha, assim como, anos mais tarde, os refrigerantes.

O resultado da aparente modernização de Tonga está à vista e não é animador: o país é agora o que tem um maior número de obesos no mundo. Mais: perto de 40% dos habitantes têm diabetes e a esperança de vida desce a um ritmo alarmante, conta a BBC.

A causa principal para a deterioração da saúde dos habitantes da ilha parece ser os pedaços de carne baratos exportados pela Nova Zelândia, uma vez que naquele país são considerados impróprios para consumo. Mas não é só isso: conforme a televisão britânica relata, outros fatores contribuíram para o número de obesos que a ilha alberga. Parte do problema está, diz a comunidade científica, nos genes, uma vez que os habitantes de Tonga tiveram, no passado, de sobreviver a longos períodos sem comida e portanto os seus corpos estão preparados para absorver as gorduras.

Por outro lado, os padrões de beleza daquela ilha do Pacífico não condizem com as modelos magrinhas das capas de revista ocidentais. “Quanto maior fores, mais bonito és”, explica à BBC Drew Havea, membro do grupo Fórum de Tonga. A ideia de beleza também se relaciona com o histórico de pobreza da ilha: os habitantes de Tonga associam a magreza a uma posição social menor.

Os exemplos dados à população vão ao encontro deste estereótipo. O rei Tupou IV, que morreu em 2006, detinha o título do Guiness de rei mais pesado de sempre, uma vez que pesava 200 quilos. Entre as figuras religiosas o cenário é o mesmo: de acordo com o reverendo Ma'afu Palu, que defende um estilo de vida saudável, 85% dos padres de Tonga são obesos e participam com frequência em banquetes luxuosos.

Esperança de vida está nos 64 anos

Em consequência desta mentalidade e de as novas gerações terem crescido a consumir carne de carneiro e refrigerantes - novidade que os especialistas dizem ter sido recebida com furor, depois de a população os ter cobiçado durante muito tempo ao ver filmes norte-americanos - a esperança de vida, que já chegou a fixar-se nos 70 anos, está agora nos 64.

Já a percentagem de habitantes com diabetes vai levar gerações a mudar, dizem os médicos, que vaticinam que os números ainda se vão agravar mais antes de melhorar.

  • Obesidade, um problema grave no México

    Em 2012, 56% da população adulta da cidade do México tinha excesso de peso ou era obesa, realidade que levou o Governo a criar um imposto para taxar os alimentos e bebidas com altos teores de açúcar e de gordura. Mas a medida não se revelou muito eficaz

  • Portugueses convidados a sentir os perigos da obesidade

    Campanha de prevenção aposta na experimentação sensorial de algumas das consequências negativas do excesso de peso. Equipamento permite viver por momentos com mais dez quilos ou ter a mobilidade reduzida na sequência de um AVC. A ação vai estar em várias praias do país até ao final de agosto