Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Cameron quer deportar migrantes que não aprendam inglês em dois anos e meio

  • 333

ANDY RAIN / POOL

Para verificar o nível de inglês, o Governo efetuará testes. Primeiro-ministro britânico diz tratar-se de uma medida contra o extremismo

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou esta segunda-feira um plano para ensinar inglês a todos os migrantes que chegam ao Reino Unido. Caso não consigam aprender a língua num período de dois anos e meio podem vir a ser deportados, mesmo que tenham filhos.

O objetivo deste plano, diz Cameron, é facilitar a integração dos muçulmanos na sociedade e combater o extremismo, assim como a descriminação das mulheres, que ficam numa posição de maior vulnerabilidade dentro das suas comunidades, caso não dominem a língua do país.

Numa entrevista à BBC Radio 4S, o governante explicou que o plano se destina aos migrantes que pretendam casar-se no país. Se não provarem ter pelo menos conhecimentos básicos do idioma, Cameron admite a possibilidade de famílias se separarem e de alguns dos seus membros serem deportados para o seu país de origem. Para verificar o nível de inglês, o Governo efetuará testes.

Segundo o “Daily Mail”, além do plano, Cameron tem um fundo de 20 milhões de libras (aproximadamente 26 milhões de euros) para aplicar no combate à discriminação e ao isolamento social que afeta cerca de 190 mil muçulmanas. O conservador “The Daily Telegraph” explica que o primeiro-ministro tem em mente homens muçulmanos que exercem um controlo significativo sobre as mulheres. Cameron disse que este género de situações acontece com frequência no país e que não “é aceitável”.

O primeiro-ministro defendeu ainda que “aprender inglês é essencial” e que os testes não serão “apenas para as mulheres muçulmanas”. A nova política entrará em vigor em outubro e afetará os imigrantes recém-chegados.

Cameron também expressou a intenção de as mulheres muçulmanas deixarem de usar o véu quando estão nos locais onde as pessoas necessitam de ver os seus rostos, como escolas e tribunais. E acrescentou que no Reino Unido “as mulheres e as raparigas são livres de escolher como querem viver, vestir-se e amar”.

Um programa contra o extremismo

O programa de Comunidades Coesas tem como objetivo melhorar a integração e aumentar a oportunidade entre os muçulmanos. A sua avaliação pretende garantir que mais pessoas de várias etnias e minorias sintam que têm uma participação na sociedade britânica.

As aulas de inglês vão decorrer em residências, escolas e centros comunitários. As despesas de transporte serão asseguradas pelo Estado, bem como as despesas relativas aos cuidados com as crianças das mães que estão a frequentar a formação.

O aumento do número de jovens muçulmanos que viajam para a Síria com o objetivo de se integrarem no grupo autoproclamado Estado Islâmico (Daesh) é um dos principais foco do Governo. Este plano faz parte das medidas governamentais para combater esse extremismo.