Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Al-Qaeda do Magrebe volta a atacar um hotel. 29 mortos e 150 feridos

  • 333

Veículos a arder à porta do Hotel Splendid durante o atentado na madrugada de sábado, 16 janeiro, na capital do Burkina Faso

REUTERS

Terminou esta manhã o atentado terrorista na capital do Burkina Faso. O presidente francês, François Hollande, diz que o ataque que vitimou pessoas de 18 nacionalidades é um ato “odioso e cobarde ataque”. Em novembro, morreram 27 pessoas num atentado contra o Radisson na capital do Mali, país que faz fronteira com o Burkina Faso

Um total de 63 pessoas, 33 delas feridas, foram libertadas do hotel Splendid atacado pela Al-Qaeda do Magrebe na noite de sexta para sábado em Ouagadougou, capital do Burkina Faso. A informação foi confirmada pelo ministro da Comunicação do país em declarações à agência AFP, citada pela Lusa.

A intervenção das forças de segurança e militares do Burkina Faso foi apoiada por forças especiais francesas. Trinta dos reféns libertados estão “sãos e salvos” e outros 33 estão feridos, afirmou o ministro da Comunicação. Entre os reféns libertados estava o ministro do Trabalho, Clement Sawadogo, refere a Lusa.

Há menos de dois meses, a 27 de novembro de 2015, um grupo com ligações à Al-Qaeda atacou o Hotel Radisson em Bamako, capital do Mali. No final das operações de resgate os capacetes azuis da ONU contabilizaram 27 mortos.

O Hotel Splendid na capital do Burkina Faso, depois do atentado da Al-Qaeda que matou pelo menos 23 pessoas de 18 nacionalidades. Sábado, 16 de janeiro

O Hotel Splendid na capital do Burkina Faso, depois do atentado da Al-Qaeda que matou pelo menos 23 pessoas de 18 nacionalidades. Sábado, 16 de janeiro

Reuters

Hollande e UE já condenaram ataque terrorista

Ao início da manhã deste sábado, o presidente francês, François Hollande, classsificou o atentado da Al-Qaeda na capital do Burkina Faso de “odioso e cobarde ataque”. Num comunicado, a Presidência francesa confirma ainda que forças gaulesas estão a apoiar, no terreno, a operação de resposta ao ataque por parte das autoridades de Burkina Faso.

“O Presidente da República manifestou o seu total apoio ao Presidente [Roch Marc Christian] Kaboré”, o chefe de Estado do Burkina Faso, assegura o mesmo comunicado.

A União Europeia também reiterou a sua determinação em utilizar "todos os instrumentos" para lutar ao lado do Burkina Faso e dos outros países do Sahel contra o terrorismo, ao condenar o atentado em Ouagadougou. "Hoje o Burkina Faso e a comunidade internacional estão de luto por um atentado terrorista que custou demasiadas vidas", assinalou a Alta Representante de Política Externa e de Segurança da União Europeia (UE), Federica Mogherini, num comunicado.

Mogherini recordou que os cidadãos do Burkina Faso expressaram em novembro com o seu voto pacífico "a sua determinação de viver em paz e com estabilidade".
"A UE está ao lado do Burkina Faso e dos outros países do Sahel na luta contra o terrorismo e na defesa dos valores da paz, da liberdade e da diversidade", adiantou.

29 pessoas de 18 nacionalidades morreram e outras 150 ficaram feridas no ataque ao hotel Splendid, em Ouagadougou, segundo o balanço final do atentado.

A Al-Qaeda do Magrebe reivindicou a autoria do ataque ao hotel Splendid e ao café-restaurante Cappuccino, em Ouagadougou, segundo o sítio na internet especializado nestes movimentos SITE.

NOTÍCIA ATUALIZADA ÀS 18h30