Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Não há portugueses em risco em Jacarta

  • 333

BEAWIHARTA / Reuters

Augusto Santos Silva garante que a comunidade portuguesa está a salvo mas recomenda prudência às 180 pessoas que a embaixada regista habitarem a capital da Indonésia

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, já fez saber que não há portugueses em risco em Jacarta, mas adiantou que foram reforçadas as medidas de segurança na embaixada, depois dos atentados, já reivindicados pelo autodenominado Estado Islâmico, que esta manhã atingiram a capital da Indonésia e fizeram pelo menos seis mortos.

"Não temos nenhuma informação que permita dizer que algum dos elementos da comunidade portuguesa residente em Jacarta - que se estima serem 180 - esteja em qualquer situação de risco, em qualquer local de risco", adiantou à agência Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros.

Augusto Santos Silva informou que o embaixador português em Jacarta, Moreira Lemos, tem estado em contacto com a comunidade portuguesa na capital. O ministro salientou também que a Embaixada não está localizada nas áreas onde decorreram os ataques à bomba, que causaram pelo menos cinco mortos.

"Embora haja várias embaixadas localizadas num dos locais onde estão a decorrer os ataques e a Embaixada portuguesa esteja localizada não muito longe desse local, não há nenhum elemento que permita dizer que são as embaixadas o alvo do ataque, ou seja, que esteja em curso um atentado que tenha como alvo representações diplomáticas", sublinhou.

Após os ataques, a Embaixada de Portugal na Indonésia lançou um aviso aos cidadãos portugueses para evitarem deslocações ao centro de Jacarta, onde esta manhã ocorreram vários atentados.

"Sugere-se a todos os nacionais portugueses que evitem deslocações nos arredores de Budaran HI, em concreto no Shopping Mall Sarinah, que se encontra na Jalan Thamrin, na sequência de uma série de ataques com armas de fogo e explosivos que ali ocorreram", lê-se na comunicação emitida pela embaixada aos portugueses.

A representação portuguesa alerta que "todos os movimentos devem ser reduzidos ao mínimo indispensável, pois há bloqueios em várias vias de acesso a Jacarta Central/Menteng" e alerta que podem ter ainda lugar atos terroristas.