Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Jacarta: ainda é cedo para condenar Estado Islâmico

  • 333

BAGUS INDAHONO / EPA

Porta-voz da policia nacional da Indonésia evita especulações e diz que ainda é cedo para atribuir ao Daesh a autoria dos atentados que esta manhã mataram pelo menos sete pessoas em Jacarta

Anton Charliyan, o porta-voz da polícia nacional da Indonésia, afirma que ainda não é certo que os atentados ocorridos em Jacarta tenham sido levados a cabo pelo autoproclamado Estado Islâmico (Daesh). Em declarações a uma rádio local, Charliyan revelou, no entando, que a organização jiadista sunita já emitira mensagens de ameaça à Indonésia.

"A Indonésia estrá em breve debaixo da luz dos holofotes" e "Haverá um concerto na Indonésia que será divulgado pela imprensa internacional" terão sido, segundo o mesmo responsável, as expressões usadas pelo Daesh.

O porta-voz da polícia não facultou mais nenhum detalhe sobre o conteúdo das ameaças, nem revelou quando foram recebidas pelas autoridades.

Já Joko "Jokowi" Widodo, presidente do país, depois de ter declarado os atentados como "um ato terrorista", veio a público pedir aos indonésios para não especularem sobre a autoria dos ataques.

  • “Um ato terrorista”, diz Presidente indonésio

    Joko “Jokowi” Widodo já deu ordem às autoridades para perseguirem e capturarem os autores dos atentados desta manhã em Jacarta. O chefe de Estado classifica as explosões que ocorreram no centro da cidade como “um ato terrorista”

  • Jacarta palco de uma série de atentados terroristas

    O número de mortos está até agora contabilizado em seis, mas as autoridades ainda trabalham nos seis locais onde explosões e bombistas suicídas geraram o terror na capital da Indonésia. Os ataques de hoje começaram num café da cadeia Starbucks perto da sede das Nações Unidas