Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ex-fugitiva exilada no Algarve convidada de Michelle Obama no discurso do Estado da Nação

  • 333

Sue Allen, no canto superior esquerdo da imagem (de casaco azul), foi uma das convidadas da primeira-dama

Mark Wilson

Sue Ellen Allen viveu durante sete anos em Silves com o marido, depois de ter sido condenada por fraude - no valor de um milhão de dólares. Esta terça-feira, sentou-se na Tribuna da Câmara dos Representantes ao lado da primeira dama, ativistas comunitários, políticos locais, militares, pequenos empresários e um refugiado sírio

Sue Ellen Allen, que viveu sete anos no Algarve fugindo à justiça norte-americana, foi uma das convidadas da primeira dama dos EUA, Michelle Obama, para assistir ao discurso do Estado da Nação.

Allen foi condenada por fraude, no valor de um milhão de dólares, e viveu escondida no Algarve, mas acabou por se entregar, em 2002, cumprir sete anos de pena e lançar uma organização que ajuda mulheres durante o seu encarceramento e, depois, no regresso à vida em liberdade.

No discurso de terça-feira à noite, a norte-americana partilhou uma tribuna da Câmara dos Representantes com Michelle Obama, a mulher do vice-presidente, Jill Biden, e 23 convidados, que incluíram ativistas comunitários, políticos locais, militares, pequenos empresários e um refugiado sírio.

"[Estas pessoas] personificam o tempo que o Presidente Barack Obama esteve no poder e, mais importante, representam-nos como americanos: são inclusivos e têm compaixão, são inovadores e corajosos", explicou a Casa Branca em comunicado.

Em 2002, Sue Ellen e o marido, David Grammer, estavam a viver em Silves, no Algarve, há sete anos quando foram denunciados como fugitivos.

A justiça norte-americana tinha-os condenado, na sua ausência, por terem defraudado um grupo de investidores em mais de um milhão de dólares.

Allen estava a fazer um tratamento ao cancro na altura, mas decidiu com o marido entregar-se ao FBI na embaixada dos EUA em Lisboa.
"Com apenas mais duas sessões de quimioterapia por fazer, o nosso mundo acolhedor, com três cães, horta, comida fresca e cheio de almofadas colapsou", escreveu a norte-americana nas suas memórias, "The Slumber Party from Hell".

Depois de cumprir a pena numa prisão do Arizona, Allen começou em 2009 uma organização com o nome "Gina's Team", em honra da sua colega de cela, Gina Panetta, que morreu na prisão, aos 25 anos, vítima de uma leucemia, enquanto era tratada para cancro da mama.
"A morte da Gina começou o novo capítulo da minha vida. Ela deu-me paixão e um propósito", escreveu Allen.

"É uma honra incrível representar as mulheres sem voz e sem rosto que ainda estão atrás das grades. Vou levá-las no meu coração", disse Allen aos jornalistas, antes do discurso.

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fez na terça-feira o seu último discurso do Estado da União, a pouco menos de um ano de o povo norte-americano eleger um novo chefe de Estado.

Obama destacou a recuperação económica alcançada durante a sua administração, mas também reconheceu que ocorreram "mudanças profundas" que mantêm muitos norte-americanos preocupados.

Eleito em 2008 e reeleito em 2012, Obama deixará a Casa Branca a 20 de janeiro de 2017.