Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Crime, disse ela. E toda a gente acreditou

  • 333

A história de Kamo, uma jovem brutalmente violada e morta na África do Sul, emocionou governantes, jornalistas e milhares de internautas. O único problema é que é mentira

A história de Kamo, uma rapariga supostamente violada e morta na África do Sul, parecia tristemente real e tinha todos os ingredientes para se tornar viral: apelava ao coração do leitor, era publicada aos pedacinhos (140 caracteres de cada vez, não fosse a plataforma escolhida o Twitter) e falava de uma realidade bem conhecida naquele país. O único problema é que é tudo mentira.

Voltemos a domingo passado, altura em que a utilizadora do Twitter @JustKhuhi, uma jovem sul-africana desconhecida, começou a contar a chocante história da sua amiga Kamo. O relato começava assim mesmo, por anunciar que tudo não passava de uma história, mas a novela, publicada em mais de 70 tweets, fez certamente com que os leitores que a acompanhavam perdessem o fio à meada e pensassem que era real.

A autora da história começa por relatar que conheceu Kamo quando esta tinha 12 anos, porque as mães de ambas se conheciam, e a ligação entre ambas foi “imediata”, como se fossem irmãs. Depois, durante uma série de cerca de dez tweets, @JustKhuhi dá pormenores sobre a amizade das duas, aparentemente inseparáveis. Até ao dia em que Kamo desaparece: família, namorado e amigos desconhecem o seu paradeiro.

As descrições da forma como a autora da história procura a amiga, seguindo as pistas deixadas no seu telemóvel, e a encontra numa cama de hospital após esta ter sido brutalmente violada são violentas e emocionaram os milhares de internautas que acompanharam a história. Depois, o choque: Kamo, que tinha “sonhos enormes que agora nunca poderá cumprir”, acaba por morrer por volta do tweet número 50.

A internet revoltou-se e reagiu. A hasthtag #RIPKamo foi, nos três dias que passaram, usada mais de 7 mil vezes no Twitter; o nome da rapariga supostamente violada e morta foi mencionado quase 60 mil vezes naquela rede social, conta a BBC. As mensagens de pesar, a que a autora da história replicou com tweets agradecidos, apareceram em catadupa.

E não foram apenas os internautas que ficaram chocados e pediram justiça para Kamo. Houve mesmo representantes governamentais do Departamento das Mulheres sul-africano a tweetar sobre o caso, cita a BBC: “Por favor, ajudem-nos a combater a violência contra mulheres e crianças. A história de #Kamo é de partir o coração”.

A imprensa também acreditou na tragédia de Kamo. O jornal sul-africano “Star” dedicou, na sua edição impressa desta segunda-feira, uma peça a Kamo. Entretanto, reagindo a todo o gozo de que está a ser alvo nas redes sociais, o editor daquele título Kevin Ritchie disse à News24 que os jornalistas do “Star” estão “embaraçados e nada contentes”. Para emendar o erro, o jornalista responsável pela peça entrou em contacto com a autora da história e revelou que @JustKhuthi é uma jovem de 18 anos de uma cidade no norte da África do Sul que teve, de facto, uma amiga chamada Kamo que já morreu. No entanto, tudo o resto foi inventado: “Escrevi a história para mostrar às pessoas quão mau é viver na África do Sul... Peço desculpa por ter enganado toda a gente”, explicou.

Embora a história pareça não passar de uma curiosidade, a verdade é que trouxe para a ordem do dia um assunto demasiado relevante naquele país. De acordo com estatísticas governamentais citadas pela BBC, entre 2014 e 2015 houve mais de 50 mil queixas por abuso sexual na África do Sul. Foi isso mesmo que muitos internautas, depois de descobrirem que a história de Kamo era falsa, destacaram.