Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Atentado suicida nos Camarões faz 12 mortos

  • 333

O ataque aconteceu na mesquita de Kouyape, uma pequena aldeia próxima da fronteira com a Nigéria, durante a oração da manhã

Pelo menos 12 pessoas morreram esta quarta-feira nos Camarões, num atentado suicida contra uma mesquita durante a oração matinal, numa localidade do Extremo-Norte, alvo regular de ataques dos extremistas nigerianos do Boko Haram, disseram fontes da segurança.

O atentado aconteceu na mesquita de Kouyape, uma pequena aldeia de Kolofata, próximo da fronteira com a Nigéria, disse à agência AFP uma fonte da segurança da região, sob anonimato.
Segundo as informações disponíveis, os fiéis muçulmanos estavam concentrados na pequena mesquita da aldeia quando um terrorista suicida se fez explodir, durante a oração das 5h30 (4h30 em Lisboa).

“O terrorista rezou com outros fiéis” antes de se fazer explodir, disse uma testemunha. O imã da mesquita está entre as vítimas, acrescentou.

Durante a madrugada, duas pessoas morreram na mesma localidade, num ataque atribuído ao Boko Haram, que se juntou ao grupo extremista autodenominado Estado Islâmico (Daesh), acrescentaram as autoridades.

Depois de ter permitido durante anos a presença de combatentes ativos do Boko Haram no nordeste da Nigéria, que usavam a região como base recuada e local de aprovisionamento de armas, veículos e mercadorias, os Camarões reforçaram a sua presença militar ao longo da fronteira nigeriana, no âmbito da coligação regional militar (Camarões, Nigéria, Níger, Chade, Benim) que combate os islamitas.

O exército camaronês tem realizado, desde final de novembro, em várias localidade fronteiriças, operações “de limpeza” para enfraquecer os jiadistas nigerianos que permanecem muito ativos no nordeste da Nigéria e no Extremo-Norte dos Camarões.

De acordo com a AFP, diversas fontes afirmaram que estas ações enfraqueceram consideravelmente as capacidades do Boko Haram, que deixou de se envolver em confrontos frontais com as tropas camaronesas, ao mesmo tempo que multiplicou os atentados suicidas.