Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Crise petrofífera. BP vai despedir pelo menos 4000 trabalhadores

  • 333

O primeiro-ministro britânico David Cameron à conversa com trabalhadores da BP nma exploração de petróleo no Mar do Norte, em fevereiro de 2014

Andy Buchanan / Getty Images

Grupo britânico obrigado a fazer cortes com o pessoal, devido à quebra de receitas provocada pelo baixo custo do petróleo

A BP anunciou esta terça-feira que vai fazer um corte de pessoal que atingirirá pelo menos 4000 pessoas nos próximos dois anos, devido à queda do preço do petróleo e dos seus ganhos.

O número de empregados envolvidos diretamente na exploração e produção de produtos petrolíferos vai baixar, por etapas, dos atuais 24.000 para menos de 20.000 até ao final de 2017, o que representa um abate de 5% do total de pessoas com ligação laboral ao grupo britânico.

A primeira redução, já este ano, envolverá cerca de 600 pessoas que trabalham nas explorações do Mar do Norte, refere a BP num comunicado revelado esta manhã e citado pela AFP. “Tendo em conta os problemas conhecidos da atividade petrolífera nesta região perante as atuais condições do mercado, vemo-nos obrigados a tomar as medidas mais convenientes para assegurar que a nossa empresa se mantém competitiva e robusta”, lê-se na nota assinada por Mark Thomas, presidente regional da BP no Mar do Norte.

Este anúncio decorre das grandes quebras de receitas registadas por todas as empresas petrolíferas, que decorrem da permanente comercialização em baixa do barril de petróleo desde o verão de 2014: se em junho desse ano o barril era vendido a 115 dólares (105 euros), esta manhã a cotação baixava já para os 31,5 dólares (28,8 euros).

No final do ano passado, a Shell já tinha avançado com a intenção de suprimir 2800 postos de trabalho na sua estrutura, depois da anunciada fusão com a BP, sem contar com os 7500 despedimentos anteriormente anunciados pela empresa holandesa.