Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

EUA, Japão e Coreia do Sul a “trabalhar em conjunto” contra Pyongyang

  • 333

JEON HEON-KYUN / EPA

Líderes estão a preparar uma “resposta internacional forte e unida” à Coreia do Norte. Seul vai retomar emissões de propaganda na fronteira que separa os vizinhos desavindos

Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul estão a dar passos para criar uma frente comum de forma a responsabilizar Pyongyang, depois de a Coreia do Norte ter feito soar alarmes um pouco por todo o mundo ao assumir ter realizado o primeiro teste com uma bomba de hidrogénio. Na manhã desta quinta-feira, o Presidente norte-americano Barack Obama contactou o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, assim como a Presidente da Coreia do Sul Park Geun-Hye, para que medidas sejam tomadas.

Em conversa, Abe falou ao chefe de Estado norte-americano na necessidade de “uma resposta global firme”. De acordo com a Reuters, Obama também contactou Park Geun-Hye, tendo discutido a possibilidade de os EUA colocarem armas estratégicas na península coreana.

Em comunicado, a Casa Branca já tinha assegurado que os dois líderes “concordaram trabalhar em conjunto para forjar uma resposta internacional forte e unida contra o comportamento imprudente da Coreia do Norte”.

Em resposta ao primeiro ensaio nuclear de Pyongyang com uma bomba H, Seul já fez saber a sua decisão de reiniciar as transmissões de propaganda, através de altifalantes colocados ao longo da fronteira, para a Coreia do Norte. As emissões vão ser retomadas já a partir desta sexta-feira.

Esta decisão é suscetível de enfurecer o regime norte-coreano, já que em agosto último os dois países trocaram disparos de artilharia depois de Pyongyang ter exigido a suspensão das emissões radiofónicas.

O anúncio que fez tremer o mundo

Esta quarta-feira, Kim-Jong Un acordou a comunidade internacional em sobressalto ao anunciar que fez explodir, pela primeira vez, uma bomba de hidrogéneo.

O anúncio da Coreia do Norte deu origem a uma reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas - convocada pelos Estados Unidos e Japão - que concordou de forma unânime tomar “medidas suplementares” contra Pyongyang.

Contudo, existem ainda dúvidas sobre a veracidade da ação anunciada pelos norte-coreanos, uma vez que há suspeitas, levantadas por parte de especialistas na matéria,de que a bomba que rebentou fosse mesmo de hidrogénio.