Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Se não querem ser violadas, mantenham-se a um braço de distância de desconhecidos”

  • 333

A presidente da Câmara de Colónia foi ridicularizada na internet pelos conselhos que deu às mulheres no sentido de que situações como a do dia 31 de dezembro não se repitam

WOLFGANG RATTAY / Reuters

Este é o conselho que está a gerar polémica nas redes sociais. A ideia é de Henriette Reker, presidente da Câmara de Colónia, a cidade alemã em que pelo menos 90 mulheres foram atacadas por mais de mil homens na noite de 31 de dezembro

O terror instalou-se na cidade de Colónia, na Alemanha, na noite de passagem de ano, quando cerca de mil homens invadiram a estação de comboios central, assaltando e abusando sexualmente de dezenas de mulheres. Mas se a Alemanha já estava chocada com os acontecimentos de 31 de dezembro, mais indignada ficou esta terça-feira, quando Henriette Reker decidiu em conferência de imprensa dar conselhos às mulheres alemãs para evitar situações semelhantes.

Manterem-se perto de um grupo de pessoas conhecidas, pedirem ajuda aos restantes transeuntes e - a preferida da internet - manterem-se a um braço de distância de desconhecidos foram as sugestões dadas por Reker, para evitar abusos deste género. O Twitter não demorou a reagir, nalguns casos para fazer pouco das ideias e noutros para se queixar da alegada vontade de culpar a vítima e não o agressor.

Nesta publicação pode ler-se a mensagem “Como prevenir a violação? Não violando”, rematando com a hashtag que está a dominar as redes sociais: #einearmlaenge, ou “um braço de distância”.

Esta internauta sublinha que “pedir às vítimas para mudar o seu comportamento significa que os agressores não terão de mudar o seu”:

Já esta utilizadora resume a intervenção de Reker em duas palavras: “sexismo típico”.

O ministro do Interior Alemão, Thomas de Maiziere, também se manifestou sobre o sucedido, dirigindo críticas à atuação da polícia. “A polícia não deve trabalhar desta forma”, afirmou, citado pela BBC, explicando que a polícia deveria ter intervindo no momento em que tudo aconteceu, em vez de optar por esperar que as queixas aparecessem.

“Onde estás, Merkel?

Já a chanceler alemã, Angela Merkel, telefonou a Reker esta terça-feira para expressar a sua “raiva perante este ataques e abusos sexuais horríveis”. Dirigindo-se às críticas que surgiram depois de se ter sabido que os atacantes eram maioritariamente de origem árabe e africana, a chanceler sublinhou na mesma ocasião que todos os esforços deverão ser feitos no sentido de “encontrar os agressores tão rapidamente quanto possível e castigá-los, independemente das suas origens”.

Na terça-feira à noite, cerca de 300 mulheres reuniram-se perto do palco dos ataques para protestar contra a alegada inação da chanceler alemã neste caso. Nos cartazes era possível ler-se mensagens de indignação como “onde estás, Merkel?”.

Cerca de 300 mulheres protestaram contra a alegada inação de Merkel

Cerca de 300 mulheres protestaram contra a alegada inação de Merkel

WOLFGANG RATTAY