Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Os arranha-mares: a cidade subaquática feita de lixo

  • 333

Gostava de viver debaixo do mar? A ideia parece utópica, mas pode ser concretizada mais cedo do que pensa. O plano do arquiteto belga Vincent Callebaut é aproveitar o lixo que vai parar ao oceano para construir cidades submarinas ecológicas

Se Nova Iorque é conhecida por ser a cidade dos arranha-céus, o pedacinho (pedação) de oceano que albergar esta ideia vai passar a ser conhecido como a casa dos arranha-mares. Pelo menos este é o plano do arquiteto belga Vincent Callebaut, que acaba de revelar o Aequoera, um projeto que visa construir uma série de cidades submarinas ecológicas e que é detalhado pela CNN.

O plano é ambicioso: o arquiteto quer construir estruturas que poderão alcançar o fundo dos oceanos e chegar à superfície das águas, fazendo deles verdadeiros arranha-mares com 250 andares e um quilómetro de altura. A ideia é que os vários edifícios alberguem no futuro 20 mil pessoas e funcionem de forma autosuficiente.

Para mais, esta é uma ideia ecológica, uma vez que o plano consiste em aproveitar plásticos reciclados provenientes de uma zona no norte do Oceano Pacífico que concentra grandes quantidades de lixo que é atirado ao mar. Embora os cientistas não saibam precisar a quantidade de lixo que se acumula naquela zona, as correntes marítimas fazem com que este lixo, que maioritariamente não é biodegradável, se movimente numa área de 20 milhões de quilómetros quadrados.

E se a terra tremesse?

A ideia inclui a construção de laboratórios científicos, escritórios, hotéis, quintas e campos de desporto, explica a BBC. E já está tudo pensado: as estruturas estão desenhadas de forma a não serem afetadas por correntes fortes, tempestades ou catástrofes naturais.

Quanto a questões mais práticas, o arquiteto explica que a água teria de ser dessalinizada para poder ser bebida e a luz procederia da bioluminiscência de alguns organismos marinhos.

Embora não se saiba onde se localizariam estas cidades marítimas, o arquiteto fez desenhos colocando, por exemplo, a costa do Rio de Janeiro como pano de fundo.