Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tsipras garante: Grécia não vai ceder “a exigências irracionais e injustas” dos credores

  • 333

ARIS MESSINIS/AFP/Getty Images

Na altura em que se preparam negociações sobre a reforma do sistema de pensões e impostos, o primeiro-ministro grego garante que, apesar da Grécia “ir cumprir o acordo à letra”, não vai “ceder a exigências irracionais e absurdas”. O governador do Banco da Grécia alerta que o não cumprimento do acordo pode ser “tremendamente perigoso” a nível nacional e europeu

Não ceder a “exigências irracionais e injustas” por parte dos credores: foi este um dos avisos que o primeiro-ministro da Grécia deixou este domingo, em entrevista ao jornal Realnews.

Alexis Tsipras deixou claro que o sistema de pensões grego está à beira do colapso, mas que o Governo está empenhado em solucioná-lo. “Os credores devem saber que vamos cumprir o acordo à letra, mas isso não significa que iremos ceder a exigências irracionais e injustas”, afirmou.

O líder da coligação que está à frente do Governo grego declara ainda que não garante que “o dinheiro venha exclusivamente a partir de cortes nas pensões” e adianta que o acordo com os credores - Comissão Europeia, Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI) - já “prevê a possibilidade de medidas equivalentes”.

Em julho do ano passado, o Governo da Grécia viu-se obrigado a aceitar um acordo com os credores europeus de modo a receber um empréstimo, ao longo de três anos, no valor de 86 mil milhões de euros.

Governador do Banco da Grécia deixa aviso a Tsipras

Em resposta às declarações do primeiro-ministro, o governador do Banco da Grécia Yannis Stournaras deixou um aviso claro ao Governo de Tsipras: falhar os compromissos acordados com os credores pode trazer grandes riscos para a Grécia, uma vez que a UE é tem agora menos capacidade de lidar com uma crise grega e a economia grega está fragilizada.

“A incapacidade potenciar de incumprimento do programa será desestabilizadora, trazendo à memoria a experiência da primeira metade de 2015. O regresso dessa experiência traz consigo grandes riscos, dificuldades muito difíceis para a economia lidar neste momento”, escreveu Stournaras num artigo de opinião na edição de domingo do jornal grego “Kathimerini”. Recorde-se que em 2015 a Grécia viveu momentos difíceis de controlo de capitais, após a incapacidade do Governo grego e credores chegarem a um acordo.

O governador do Banco grego acrescenta ainda que “a conclusão plena da primeira avaliação do programa terá certamente um impacto muito positivo na confiança. É a chave para o regresso dos depósitos no sistema bancário.” E relembra que o escalar das discussões a nível europeu pode ser “tremendamente perigoso” num tempo de grandes divisões a nível europeu, que vão desde a crise dos refugiados à união bancária.

  • Atenas acusa FMI de atrapalhar resgate

    Alexis Tsipras critica a organização de Christine Lagarde por não ter um comportamento “construtivo” ao colocar exigências “irrealistas” tanto ao governo grego como aos credores oficiais europeus

  • Parlamento grego aprova austeridade

    Meimarakis, do partido de oposição Nova Democracia, acusou o primeiro-ministro Alexis Tsipras de se ter convertido “no maior 'troikano' dos 'troikanos'”

  • Preparem-se: o inverno está a chegar − e o de Atenas pode ser quente

    Não há frentes frias à vista para arrefecer as temperaturas na Grécia. A greve geral desta quinta − a primeira com um governo do Syriza − foi menos participada do que outras no passado, mas pode ser o ensaio geral para os meses de contestação social que se adivinham. Alexis Tsipras vai gingando como pode, mas, com mais austeridade à vista, vai ter dificuldades em deitar água nesta fervura