Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Guerra na Síria. ONU quer reunir Assad e forças da oposição para falar de paz

  • 333

KHALED DESOUKI/AFP/Getty Images

A intenção é dar início às conversações de paz que ficaram acordadas depois das últimas cimeiras internacionais sobre o conflito na Síria. O regime de Assad diz-se disponível para dialogar

Mais um passo para colocar um ponto final na guerra síria. Pelo menos é com essa intenção que as Nações Unidas planeiam convocar um encontro entre os intervenientes naquele conflito a realizar-se a 25 de janeiro, em Genebra, na Suíça.

O porta-voz do enviado especial da ONU na Síria, Staffan de Mistura, explicou este sábado que o plano consiste em reunir representantes do Governo sírio e "o conjunto mais abrangente possível de opositores do regime". Em comunicado, o responsável adianta que neste processo é esperada "a total cooperação de todas as partes que estão envolvidas de forma relevante no processo".

O Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou por unanimidade, a 18 de dezembro, uma resolução para lançar novamente negociações diplomáticas e pôr fim à guerra. Esta resolução representa a luz verde para que as forças internacionais possam colocar em prática as medidas acordadas na última cimeira, que aconteceu dias antes, em Viena, e onde estiveram presentes países como os Estados Unidos, a Rússia e o Irão.

Na altura, foi expressa a vontade de chegar a um acordo de cessar-fogo entre o regime de Assad e a oposição. Para mais, ficou decidido um limite máximo de dois anos para a formação de um Governo de unidade nacional e a convocação de novas eleições.

A resolução previa ainda que o início destas conversações de paz fosse marcado para janeiro do próximo ano, intenção agora cofirmada por Staffan de Mistura.

Governo sírio disposto a conversar

A Síria já veio confirmar que está disposta a sentar-se à mesa com as forças da oposição, de acordo com declarações do ministro do Exterior sírio, Walid al-Moualem, que endereçou o assunto na passada quinta-feira, quando se encontrava em Pequim para uma visita de Estado.

Do outro lado da barricada, a Arábia Saudita tenta organizar as forças da oposição, tendo no início de dezembro anunciado a intenção de criar um secretariado formado por 34 membros com o fim de supervisionar as conversações de paz. Na altura, o país organizou uma conferência onde estiveram presentes a Coligação Nacional Síria, o Conselho de Coordenação Nacional, os rebeldes do Exército Livre Sírio e outras 15 fações armadas, assim como os líderes das minorias étnicas e religiosas da Síria.

Guerra já causou mais de 250 mil mortos

A guerra civil, que começou na Síria em março de 2011, já causou mais de um quarto de milhão de mortos e provocou a deslocação de quase metade da população a deslocar-se.

A primeira tentativa de negociações, com várias rondas celebradas em Genebra no início do ano passado, terminou sem êxito.

  • ONU aprova resolução para a paz na Síria

    Cessar-fogo, negociações entre o Governo sírio e a oposição e um prazo de dois anos para criar um Governo unidade nacional e realizar eleições. São estas algumas das medidas que resultam do acordo para a paz na Síria, aprovado esta sexta-feira por unanimidade no Conselho de Segurança da ONU