Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Suspeito dos atentados de Paris fica detido por mais três meses

  • 333

A defesa tinha pedido a libertação de Lazez Abraimi e Abdoullah C., ambos suspeitos de estarem envolvidos nos atentados de 13 de novembro. O Tribunal de Bruxelas não aceitou

Lazez Abraimi, um dos suspeitos de envolvimento nos atentados de Paris de 13 de novembro, ficará detido, por mais três meses, informou o seu advogado citando uma decisão esta quinta-feira pronunciada por um tribunal de Bruxelas.

Já o ‘nono suspeito’, Abdoullah C., detido na terça-feira, irá comparecer novamente perante um tribunal de primeira instância da capital belga a 7 de janeiro, segundo o Ministério Público.

Os advogados dos dois suspeitos dos ataques, que provocaram 130 mortos, tinham pedido a sua libertação.

Abdoullah C., 30 anos e nacionalidade belga, foi detido na terça-feira durante uma operação policial na zona Norte de Bruxelas e permaneceu na prisão, por ordem de um juiz de instrução, sob as acusações de participação em atentados terroristas e em atividades de um grupo terrorista.

O homem é suspeito de manter vários contactos com Hasna Ait Boulahcen, prima do presumível ‘cérebro’ dos atentados de Paris, Abdelhamid Abaauoud.

Lazez Abraimi é suspeito de transportar Salah Abdeslam, envolvido nos atentados e ainda a monte, por Bruxelas, a 14 de novembro ou depois. O homem tem negado veemente qualquer ligação.

Os contactos terão acontecido nos dias seguintes aos ataques e antes da operação das forças de ordem francesas em Saint-Denis, que resultaram na morte de Hasna e Abdelhamid.

A notícia de uma nova detenção foi divulgada esta quinta-feira pelo Ministério Público belga.

Na tradicional mensagem de Natal, o rei da Bélgica apelou aos seus compatriotas para que “não se deixem intimidar” nem se “dividam” face à ameaça terrorista.
"Face à ameaça do terrorismo, as nossas autoridades reagiram com calma, rapidez e determinação", notou o monarca, reportando-se aos vários dias de alerta máximo, no final de novembro, em Bruxelas.

Philippe evocou os “compatriotas de origem estrangeira” e sublinhou serem “filhos e filhas” do país.

“Não devemos confundir os que abusam da sua religião, com os que a praticam dentro do respeito dos valores universais da humanidade”, acrescentou o rei, pedindo “tolerância zero contra os discursos de ódio.