Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Maior afluência às urnas em Espanha

  • 333

JON NAZCA/REUTERS

Pelas 18h locais registava-se uma taxa de afluência às urnas de 58,36%, ligeiramente acima da registada nas eleições espanholas há quatro anos

A participação nas eleições gerais deste domingo em Espanha cifrava-se, às 18:00 locais (17:00 em Lisboa) em 58,36%, um pouco acima do registado nas eleições de 2011 (57,65%), segundo dados oficiais.

A secretária de Estado da Comunicação, Carmen Martín Castro, e o subsecretário do Interior, Luis Aguilera Ruiz, participaram numa conferência de imprensa no Centro de Dados para apresentar os dados deste dia de eleição.

Até às 22:30 locais (21:30 em Lisboa) não se conhecerão os dados definitivos da participação, que serão apresentados pela vice-presidente do Governo, Soraya Sáenz de Santamaría, e pelo ministro do Interior, Jorge Fernández Díaz.

A participação nas eleições gerais de 2011 foi de 71,69%.

Mais de 36,5 milhões de eleitores vão hoje às urnas para escolher um novo governo em Espanha, umas eleições das quais sairá a necessidade de acordos pós-eleitorais para formação do Executivo, ou seja, o fim do bipartidismo entre o PP e o PSOE.

  • Principais candidatos já votaram em Espanha. “Que ninguém fique em casa”

    Mariano Rajoy (PP), Pedro Sánchez (PSOE), Pablo Iglesias (Podemos), Albert Rivera (Ciudadanos) e Alberto Gárzon (Unidad Popular) já exerceram o seu direito de voto. Mais de 36 milhões de eleitores podem ir este domingo às urnas para escolher o novo Governo espanhol, numas eleições em que se prevê o fim do bipartidarismo. “Já cheira a mudança”

  • 36,5 milhões escolhem novo Governo em Espanha. Solução à portuguesa à vista?

    Ao contrário de eleições gerais anteriores, a força mais votada (as sondagens apontam para o PP de Rajoy) não deverá conseguir nem maioria absoluta, nem maioria suficiente para fazer um acordo com pequenos partidos regionais ou nacionalistas. Entre os vários cenários possíveis, a hipótese de alianças entre os outros partidos - que os políticos espanhóis apelidam de “solução à portuguesa” - não está excluída