Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Google tentou influenciar Durão Barroso em campanha de milhões para reverter acusação

  • 333

Justin Sullivan/Getty Images

Acusada pela Comissão Europeia por abuso de posição dominante, a empresa norte-americana tem gasto milhões para garantir campanha de lóbi a seu favor, revela uma investigação do “The Guardian”. Mas o caso não está bem encaminhado. As investigações de Bruxelas prosseguem e são consideradas prioritárias

Acusada pela Comissão Europeia (CE) por abuso de posição dominante, a Google não tem poupado esforços - nem dinheiro - para acabar com o processo, tentando mover influências ao mais alto nível, para evitar o desmembramento da empresa, uma das consequências em causa, além de uma multa de 5,5 mil milhões de euros. Após investigar o caso a fundo, o “The Guardian” conta agora mais. O lóbi exercido pela tecnológica norte-americana abrangeu membros do Congresso dos Estados Unidos e até dois presidentes da Comissão. Durão Barroso foi um deles.

Um dos fundadores da Google, Larry Page, abordou Barroso diretamente, numa visita efetuada pelo então presidente da Comissão às instalações da empresa, na Califórnia. O português, que estava em final de mandato, terá ouvido (apesar de o CEO ter sido previamente avisado que seria bom evitar o assunto) mas, acrescenta o jornal britânico, de nada terá servido.

A Google viria mesmo a ser acusada de abusar da sua posição privilegiada nas buscas online em 12 países, dando prioridade aos seus serviços de comparação de preços nas páginas de resultados de pesquisa geral. Esta foi a conclusão da CE, que deu origem à acusação formal anunciada em abril de 2014, após uma investigação à empresa (que tem 90% do mercado dos motores de busca) que durou cinco anos.

O “favorecimento sistemático” dos seus serviços “viola as regras da União Europeia em matéria anti-concorrencial”, considerou a Europa, o que significa que a Google “asfixia a concorrência e prejudica os consumidores”, entendimento que levou a Comissão a abrir também uma investigação ao sistema operativo móvel da empresa, o Android.

Google separada

A gigante norte-americana arrisca muito. Apesar de ter gasto 3,2 milhões de euros para inverter a sua imagem, contratando peso-pesados para fazerem campanha a seu favor, e de ter recorrentemente financiando universidades para produzirem estudos favoráveis, a Google não conseguiu evitar que o Parlamento Europeu aprovasse uma medida para dividir o grupo, separando a área relativa ao motor de busca do segmento de publicidade e outros serviços.

Daí que o esforço - e o investimento - em matéria de lóbi tivesse continuado, com a insistência em reuniões com outros responsáveis europeus, incluindo o novo presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker, avança o “The Guardian”, citando vários documentos a que teve acesso e entrevistas que realizou.

A favor dos interesses da Google agiram também membros do Senado e da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, personalidades a quem a empresa financiou as campanhas eleitorais, dando o jornal exemplos concretos.

Mas o dinheiro investido nesta tentativa de contrariar as consequências negativas que se aproximasm, não parece estar a resultar. A comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager, não dá mostras de abrandar e considera prioritárias as investigações em curso. Na berlinda está também a nova empresa do grupo, a Alphabet, com instruções para que nada fique por apurar.