Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Filipinas. Tufão “Melor” força deslocamento de 700.000 pessoas

  • 333

JAY DIRECTO

Segundo as autoridades locais, o furacão poderá atingir ondas de até quatro metros de altura, destruir telhados e árvores e provocar inundações e deslizamentos de terra

Mais de 700 mil pessoas foram deslocadas da região central das Filipinas, devido a uma forte tempestade. O tufão Melor atingiu esta segunda-feira todo o arquipélago, com ventos até 185 quilómetros por hora. Contudo, ainda não há informações de danos materiais ou vítimas.

A tempestade, conhecida nas Filipinas como Nona, está ameaçar a população de todo o arquipélago, incluindo a capital, Manila. As autoridades locais preveem que o furacão possa atingir ondas de até quatro metros de altura, destruir telhados e árvores, e ainda provocar inundações e deslizamentos de terra.

Na província de Albay, no sudoeste da ilha de Luzon, cerca de 600 mil pessoas foram retiradas do local e todos os estabelecimentos foram encerrados. Albay é uma localidade com 1,2 milhões de habitantes que já se assume como "modelo" na preparação de desastres naturais. Em dezembro do ano passado, com o tufão Hagupit, não registaram vítimas.

Espera-se que o tufão Melor atravesse as zonas centrais nas primeiras horas desta terça-feira, antes de se deslocar para o Mar da China, a leste. O Governo já preparara mais de 200 mil pacotes de alimentos e outros meios de emergência antes do início da tempestade.

O arquipélago das Filipinas é atingido por uma média anual de 20 tufões. No ano passado o Hagupit provocou 53 mortes e o do mês de outubro deste ano, Koppu, forçou dezenas de pessoas a fugir das suas casas e originou 54 vítimas. O serviço meteorológico das Filipinas está a estudar a relação entre os tufões no final do ano e as mudanças climáticas.