Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ativista saudita condenado a mil chicotadas está em greve de fome

  • 333

Transferido para uma prisão mais isolada, o alerta foi dado pela mulher de Badawi, que foi condenado a mil chicotadas por ofensas ao Islão

O alerta foi dado pela sua mulher, através do Twitter. Na mensagem partilhada na quinta-feira, Ensaf Haidar comunica que Raif Badawi - o ativista saudita condenado a mil chicotadas por “insultar o Islão“ - foi transferido para uma nova prisão, mais isolada, tendo iniciado uma greve de fome em protesto.

A Amnistia Internacional confirma a transferência, de que foi informada, mas apenas isso.

Além do castigo físico, Badawi, de 31 anos, foi condenado a dez anos de prisão e a pagar uma multa equivalente a quase 200 mil euros, por manter um blogue onde defendia um debate sobre o papel da religião e fazia algumas denúncias de abusos sociais e políticos na Arábia Saudita.

Após lhe terem sido inflingidas as primeiras 50 chicotadas, o castigo foi suspenso, por motivos de sáude, tendo o caso merecido duras críticas, tanto da ONU, como dos EUA e da União Europeia.

A partir do Canadá, onde reside com os três filhos depois de lhes ter sido concedido asilo político, a mulher lançou uma campanha internacional para exigir a libertação de Badawi e criou uma fundação com o seu nome.

Também a organização Repórteres sem Fronteiras, que lhe concedeu em 2014 o prémio para a liberdade de imprensa, lançou uma petição a favor de libertação do ativista.

Raif Badawi foi também distinguido pelo Parlamento Europeu com o prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento.

  • Blogger saudita vence Prémio Sakharov

    Em 2014, Raif Badawi foi condenado a 10 anos de prisão e mil chicotadas, acusado de ter insultado o Islão. Blogger defendia o diálogo político e os Direitos Humanos na Arábia Saudita

  • "Libertem Raif." Em Belém contra as 1000 vergastadas

    Aos 30 anos, Raif Badawi viu a sua vida levar uma volta por escrever textos em que falava sobre religião e separação de poderes no reino saudita. Acusado em 2012 de insultar o Islão e o rei, no ano seguinte foi condenado a 10 anos de prisão e 1000 vergastadas. As primeiras 50, desferidas nas costas e nas pernas, deixaram-no muito mal de saúde.