Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Olímpicos 2016. Estudo denuncia violações dos direitos humanos no Rio de Janeiro

As favelas do Rio de Janeiro mantêm os elevados índices de violência

FOTO RICARDO MORAES/REUTERS

O estudo, divulgado pelo Comité Popular Rio Copa e Olímpiadas, revela que pelo menos 4.120 famílias perderam as suas casas e outras 2.486 enfrentam ameaças de despejo devido a projetos urbanos aprovados no âmbito do Mundial de 2014 e dos Jogos Olímpicos do próximo ano

Helena Bento

Jornalista

Um estudo desenvolvido recentemente por académicos e organizações não-governamentais revela que foram cometidos abusos e violações dos direitos humanos no Rio de Janeiro, incluindo violência policial e más condições de trabalho, no contexto dos preparativos para os Jogos Olímpicos de 2016.

O estudo, divulgado pelo Comité Popular Rio Copa e Olímpiadas, revela que pelo menos 4.120 famílias perderam as suas casas e outras 2.486 enfrentam ameaças de despejo devido a projetos urbanos aprovados no âmbito do Mundial de 2014 e dos Jogos Olímpicos do próximo ano. Em resultado disso, milhares de crianças foram deslocadas e deixaram de ter acesso, pelo menos temporariamente, a educação, saúde e outros serviços sociais.

Ativistas do comité destacam problemas como os despejos, a violência policial e as más condições trabalho, e pedem ao Comité Olímpico Internacional (COI) para estar mais atento e garantir mecanismos que assegurem o respeito pelos direitos humanos.

O estudo revela ainda que muitos jovens foram vítimas de violência policial no decorrer da aplicação de programas que pretendiam tornar as favelas locais mais seguros e que fazem parte da estratégia da cidade de se tornar capaz de acolher eventos de grande dimensão. Alguns desses jovens foram atingidos a tiro e morreram, muitos ficaram feridos e outros tantos sofreram danos psicológicos dada a tensão provocada pelos conflitos constantes.

A organização não-governamental holandesa Terre des Hommes, que contribuiu para o estudo, produziu vários vídeos que testemunham algumas destas situações. Naomy, uma rapariga de 12 anos, conta como a sua favela - a famosa Vila Autódromo - foi demolida para ali ser erguido um parque olímpico. E Gabriel, um rapaz de 13 anos, conta que foi atingido por uma bala enquanto brincava com berlindes, depois de os militares terem ocupado o Complexo da Maré, um dos maiores emaranhados de favelas do Rio de Janeiro, situado junto ao aeroporto da cidade.

A câmara municipal do Rio de Janeiro já veio desmentir as alegações. Disse que a maior parte dos realojamentos - cerca de 72% - nada tiveram a ver com o Mundial ou com os Jogos Olímpicos, e que a preocupação foi apenas afastar as famílias de áreas consideradas propensas a cheias e deslizamentos de terras, refere o "Guardian". E um porta-voz do presidente da Câmara acrescentou que as crianças da cidade estão agora muito melhor do que antes, graças aos investimentos que foram feitos na saúde e educação.